Comerciante é preso por estuprar a própria filha

Um comerciante de Jundiaí foi preso nesta quarta-feira (28) pelas policiais femininas da Delegacia de Defesa da Mulher (DDM) de Jundiaí. O motivo: ele estuprou várias vezes a própria filha, que está com 14 anos. Os abusos começaram quando a menina tinha 13 anos.

A delegada da DDM, Maria Beatriz Curio de Carvalho, disse que foi procurada pela mãe da garota, relatando que descobriu os atos contra a filha depois que a menina passou a se mutilar, estando com os braços cortados. As duas fugiram de casa e foram para outra cidade. O comerciante é bem estabelecido em Jundiaí e bem instruído.

Com base no depoimento da menina, as policiais foram atrás e conseguiram prender o comerciante.

O homem não negou os estupros. Disse para a delegada que sabia que o que estava fazendo era errado, mas sentiu necessidade.

A menor contou que os abusos ocorreram sempre quando a mãe estava trabalhando e ela foi ameaçada se contasse para alguém. A primeira vez o pai começou fazendo uma massagem nos pés, porque ela estava cansada. Ele começou a subir as mãos até suas partes íntimas e ela protestou.

A partir daí não teve mais sossego, até que o pai cometeu o primeiro estupro e depois a assediava quando a mãe saía para trabalhar.

A menina ficou guardando para si todo o sofrimento e não teve coragem de contar para ninguém. Se não fosse a mãe perceber que havia um comportamento diferente, os atos teriam continuado.

A delegada Maria Beatriz ficou revoltada com os relatos e pediu imediatamente a prisão preventiva para a Justiça, na noite desta quarta-feira e foi prontamente atendida pela juíza de plantão no Fórum de Jundiaí.

A investigadora Lilian ligou para a Delegacia e comunicou a decisão, providenciando o encaminhamento do comerciante para o Centro de Triagem de Campo Limpo Paulista.

O Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) não permite a divulgação do nome ou foto do comerciante, para evitar que a criança seja exposta. Mas as iniciais do homem são J.R.R., de 41 anos.