Furto de chave impede acesso de cadeirante em ônibus

Um cadeirante não pode utilizar o ônibus do Terminal Vila Hortolândia, em Jundiaí, com destino ao Centro da cidade. Mais uma vez o problema foi o sumiço da chave que aciona o elevador.

De acordo com a empresa do Sistema Integrado de Transporte Urbano (SITU) frequentemente ocorrem casos de furtos ou atos de vandalismo, com equipamentos danificados. Muitos dos terminais para carregamento de telefones celulares também foram danificados com poucos dias de uso dos ônibus novos. Os atos de vandalismo prejudicam a população.

O cadeirante teve de esperar a chegada de outro ônibus. Os demais passageiros chegaram a esperar cerca de 10 minutos até que o motorista tentasse acionar o elevador com chaves de outros ônibus. Mas o fabricante, ao invés de fazer uma chave padrão para todos os elevadores dos ônibus utilizou modelos diferentes para cada carro, dificultando um caso que poderia ter solução imediata.

O cadeirante questionou se o motorista não tinha verificado se o elevador funcionava, antes de pegar o coletivo para trabalhar. O motorista respondeu que havia pegado o ônibus de outro colega, sem relato de que a chave havia sumido.

A empresa vai apurar o caso e informa que todos os funcionários são orientados a verificar vários itens de segurança antes de sair com o veículo para a rua. A empresa esclarece que os treinamentos são frequentes nesse sentido.

No início do mês passageiros da linha de Cabreúva tiveram de esperar cerca de meia-hora, para que um cadeirante embarcasse, porque o elevador tinha sido quebrado por ato de vandalismo em ônibus da Rápido Luxo Campinas. A solução encontrada pelo motorista foi carregar o cadeirante com ajuda do cobrador e seguir viagem.