Itupeva: Moradores têm até dia 26 para fazer recadastramento

A Prefeitura de Itupeva, por meio da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Urbano informa que o prazo para o recadastramento das famílias do Jardim Cristiane e Jardim Guiomar será encerrado no dia 26 de abril.

A pasta aguarda com urgência, o comparecimento dos proprietários que ainda não efetuaram o cadastro.

A Secretaria Municipal de Desenvolvimento Urbano funciona no Paço Municipal, localizado na avenida Eduardo Aníbal Lourençon, 15, no Parque das Vinhas, das 8 às 17 horas. Telefone (11) 4591-8106.

Documentos
Para efetuar o cadastro, os moradores devem comparecer munidos com os seguintes documentos: capa do IPTU; RG e CPF de cada proprietário/possuidor e seu cônjuge (não pode ser carteira de habilitação); cartão do CNPJ (se for pessoa jurídica); comprovante de renda (de todos os proprietários/possuidores do imóvel, inclusive comprovante de renda de aposentadorias, pensões e demais benefícios formais ou informais); comprovante de endereço do imóvel e do local para recebimento de correspondências; documentos do imóvel (escritura ou contratos de compra e venda, compromisso de venda e compra, contrato de cessão de direitos, recibos de compra, contrato de doação, contrato de locação, contrato de comodato ou outros); certidão de casamento/nascimento ou declaração de união estável (se separado ou divorciado, deverá constar a competente averbação) e atestado de óbito (se viúvo).

Saiba mais
De acordo com a secretária municipal de Desenvolvimento Urbano, Márcia Mendes Villegas, a pasta iniciou no dia 12 de abril, o processo de recadastramento das famílias dos bairros Jardim Cristiane e Jardim Guiomar. “A ação tem por objetivo dar andamento à regularização fundiária dos bairros em questão”, explica.

Além disso, na última segunda-feira (15), agentes técnicos da secretaria visitaram cada imóvel das localidades, para cumprir o protocolo de recadastramento. “A maioria dos imóveis foi visitada, porém, alguns proprietários não se apresentaram e as casas estavam fechadas”, descreve Márcia Mendes Villegas.