Presos podem produzir cadeiras de rodas com preço reduzido

Primeiro passo para a produção de cadeiras de rodas de baixo custo e alta qualidade foi dado nesta sexta-feira (02) pela Fundação “Prof. Dr. Manoel Pedro Pimentel” (Funap), vinculada à Secretaria de Administração Penitenciária (SAP) de São Paulo.

Administradora de inúmeras fábricas dentro de unidades prisionais espalhadas por todo o Estado de São Paulo, empregando milhares de detentos reeducandos, a Funap pretende agora investir na produção de cadeiras de rodas para hospitais, de utilização temporária, e outras de uso permanente. A ideia é atender todo tipo de necessidade especial enfrentada por aqueles com dificuldade de mobilidade.

O projeto, chamado “Recomeçar”, prevê, inclusive, a confecção de cadeiras motorizadas, ofertadas por preço, praticamente, de custo, explicou o diretor-executivo da Funap e idealizador do programa, Henrique Neto.

Para tanto, uma nova fábrica deverá ser montada em uma das unidades prisionais, com mão de obras dos detentos, que recebem para isso e têm remição de suas penas. Detalhes sobre o processo de execução começaram a ser discutidos nesta sexta em reunião na sede da Funap, na rua Líbero Badaró, 600, no Centro de São Paulo, entre diretores do órgão e um representante do Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB), o policial militar aposentado Luis Fernando Sper Cavalli, de 42 anos.

Então tenente em 2004, Cavalli teve de se aposentar após acidente de carro naquele ano que o deixou permanentemente em uma cadeira de rodas. Superando as dificuldades de início, tornou-se referência em esportes adaptados, contribuindo para isso a experiência que tinha como atleta à época de policial militar.

E tal expertise, reconhecida pela direção da Funap, deve agora contribuir para o desenvolvimento de cadeiras de rodas totalmente funcionais, de alta qualidade e preço baixo, para atender às necessidades do paciente hospitalar ao atleta de esporte adaptado mais exigente.

Convite
Durante a reunião, a diretoria da Funap recebeu convite para conhecer as instalações do Comitê Paralímpico, também na capital paulista, e discutir possíveis parcerias com especialistas no desenvolvimento de produtos para o desporto adaptado, incluindo cadeiras de rodas. O convite foi aceito e a visita deve ocorrer ainda na primeira quinzena de agosto.