Morre Asa Branca, o maior locutor de rodeios do país

Após um longo período de tratamento e luta contra um câncer iniciado na região da garganta, morreu nesta terça-feira (4), o locutor Asa Branca, de 57 anos. Ele estava internado no Icesp, em São Paulo, onde deu a última entrada há duas semanas. Chegou em uma ambulância alugada por sua mulher, Sandra dos Santos. Inconsciente, ele não poderia imaginar que seria ali o fim de um vai e vem entre casa e hospital vivido ao longo dos últimos dois anos. Waldemar Ruy Dos Santos batalhou contra um câncer metastático na região da garganta, diagnosticado quase três anos atrás. A doença avançou para o cérebro, língua e pescoço.

O locutor de rodeios, que também era portador do vírus HIV, estava internado no Instituto do Câncer, em São Paulo, desde o dia 25 de janeiro. Nos últimos dias, o estado de saúde do artista já era bem crítico. No domingo, teve piora no quadro clínico. O locutor já se encontrava totalmente sedado a com saturação baixa. A alta dosagem de morfina que vinha tomando desde a sexta-feira (28) também já não foi suficiente para aliviar as dores. “É muito difícil esses últimos momentos”, disse Sandra dos Santos, mulher do locutor, na ocasião. “Ele já está indo descansar nos braços de Jesus. Lutou muito pela vida, é um herói”, acrescentou em entrevista ao R7.

A família havia criado uma vaquinha virtual para arcar com custos do tratamento. Foram arrecadados mais de R$ 13 mil, de uma meta de R$ 50 mil.

“Asa branca teve um câncer de boca onde fez 33 sessões de radioterapia e teve uma radionecrose onde morreu o osso da face. Está fazendo tratamento nos Estados Unidos. As despesas aqui são altas e o tratamento é longo, pois ele não pode fazer cirurgia por ter baixa imunidade. Ajude ele a terminar o tratamento”, descrevia o pedido de ajuda da família no site de financiamento coletivo.

Asa Branca nasceu em 1962 em Tiriúba, município no interior de São Paulo, e fez fama na década de 90 como a voz de grandes rodeios, que o levou a participar de novelas como Mulheres de Areia (1993) e O Rei do Gado (1996), da TV Globo. À época, ele chegava a faturar até R$ 300 mil por mês e levava uma vida badalada, regada a bebida, drogas, festas e mulheres, conforme o mesmo já revelou. Em 1999, ele recebeu o diagnóstico do HIV.

O locutor era casado com Sandra dos Santos e tinha seis filhos, todos de relacionamentos anteriores.