Postagens no Twitter viram caso de Polícia

O caso das garotas que publicaram no Twitter relatos de assédios, com relação dos nomes dos supostos autores, levando o nome de “Jundiaí” a figurar entre os itens mais vistos da rede social, ganhou repercussão sem precedentes. De um lado as jovens dizem que “se defenderam” de uma outra lista onde elas foram incluídas. Do outro lado, os jovens e pais deles foram à Polícia.

O advogado Ronaldo de Alves Azevedo, que representa um dos jovens que teve o nome exposto no Twitter, já ingressou com queixa crime contra uma das garotas.

A Delegacia de Defesa da Mulher (DDM) informa que as garotas cometeram um grande erro ao expor as mensagens: elas não procuraram a Delegacia. Apenas uma jovem fez boletim de ocorrência de tentativa de estupro e o caso foi para a Justiça.

Difamação

O advogado Ronaldo Azevedo disse que um dos garotos incluídos “na famigerada “Lista” do #exposedjundiai, no Twitter pretende processar a autora dos comentários contra ele.

“Acho de bom esclarecer que meu cliente já providenciou o devido Boletim de Ocorrência por Difamação e Calúnia sobre a pessoa. O delegado do Plantão, Dr. Antonio Dota Junior e o policial Xororó, já tem o nome e endereço de uma das Autoras da criação da Lista e sua veiculação, e já investigam as demais Autoras”, explicou o advogado.

“Esclarecemos que somos absolutamente avessos aos atos abjetos de qualquer tipo de assédio, e comungamos e apoiamos todas as lutas que as mulheres se empenham em acabar com todas as formas de assédio contra a mulher. Esperamos que tudo venha ser rigorosamente apurado para que não seja maculado a luta das verdadeiras defensoras das causas das mulheres. Meu Cliente jamais teve qualquer atitude que pudesse ser classificada como assédio, levando-se a crer que a referida lista tornou-se um mero mecanismo difamatório que compromete a honra e a vida pessoal de quem é injustamente acusado”, completou o doutor Ronaldo Azevedo.

A Delegacia de Defesa da Mulher informou que está com as portas abertas para receber queixas de abusos ou assédios. Mas ressalta que apenas uma das garotas fez boletim de ocorrência. Todos que estão na “Lista” não constam de nenhuma investigação da Polícia Civil de Jundiaí.