Serra do Japi terá restrições de uso e ações da Guarda Ambiental

A Guarda Municipal de Jundiaí (GMJ) intensificou a fiscalização nas entradas de cachoeiras na Serra do Japi, com o objetivo de impedir aglomerações e a disseminação do coronavírus, além de proteger a área de preservação ambiental do risco de queimadas.

O trabalho da Divisão Florestal da Guarda Municipal de Jundiaí é permanente e, em razão da pandemia, agora também busca assegurar o cumprimento das regras expostas em decreto sobre circulação pública.

Segundo o subinspetor da GMJ Darlei Antonio, responsável pela Divisão Florestal, a mata, as trilhas e as cachoeiras estão fechadas para visitação. “O impacto das visitas à Serra é muito grande, para a vegetação e para os animais. Além de proporcionar aglomeração, que precisamos coibir, os visitantes muitas vezes deixam lixo e restos de comida nas trilhas, que são comidos e fazem mal à fauna local”, explica.

Carro da Guarda Municipal de Jundiaí parado próximo a uma cachoeira na Serra do Japi, com equipe em fiscalização do espaço
Fiscalização da GM é intensificada na Serra do Japi

O regramento à permanência de pessoas na Serra do Japi consta na Lei Municipal Complementar 417, de 2004, que trata da proteção do território, e o decreto 20.876, de 2007. É proibida a entrada de indivíduos na Reserva Biológica sem autorização e acompanhamento de pessoas autorizadas para as finalidades de pesquisa científica e educação ambiental monitorada.

Neste momento de pandemia, o local é ainda muito procurado por visitantes, corredores e ciclistas até de outras cidades. “A Guarda Municipal mantém monitoramento constante na Serra, mas contamos com a conscientização da população”, reforça o subinspetor.

Denúncias podem ser feitas pelo telefone 153 ou pelo app da prefeitura de Jundiaí.