Com retração da covid-19, HSV faz nova readequação de leitos

Jundiaí vivencia a retração nos números da pandemia do Novo Coronavírus desde o mês de setembro, com o menor número de casos positivos e menos solicitações para internações, tanto em leitos de enfermaria como Unidade de Terapia Intensiva (UTI) exclusivos. Com o avanço para a Fase Verde do Plano São Paulo de Retomada Econômica, o Comitê de Enfrentamento ao Coronavírus (CEC) da Prefeitura de Jundiaí e o Hospital São Vicente de Paulo (HSV) adequam o número de leitos para a demanda, liberando espaço para o atendimento das demais solicitações atendidas pelo único equipamento de alta complexidade de Jundiaí e região.

A partir desta quarta-feira (14), o HSV contará com 23 leitos de UTI exclusivos para COVID-19 e 29 leitos de enfermaria – já contabilizados os leitos do Hospital de Campanha, montado na estrutura do 12º Grupo de Artilharia de Campanha (12º GAC) Barão de Jundiahy -, também exclusivamente dedicados para o atendimento dos pacientes suspeitos ou confirmados pela infecção do vírus Sars-CoV-2. Até esta terça-feira (13), a quantidade era de 69 e 57 leitos, respectivamente, com ocupação de 14% e 7%, com nove pacientes internados em UTI e seis em enfermaria.

“Com a gradativa retomada das atividades econômicas, as demandas de urgência e emergência no Pronto Socorro também tiveram acrescimento das ocorrências gerais, sendo inversamente proporcionais aos números de novos casos da COVID-19. Por isso, se faz necessário a adequação dos leitos para garantir, assim como tem sido feito ao longo de toda a pandemia, o atendimento de todos os casos de alta complexidade”, explica o gestor da Unidade de Gestão de Promoção da Saúde (UGPS) e coordenador do CEC, Tiago Texera.

Segundo o superintendente do HSV, Matheus Gomes, o planejamento feito antecipadamente à ocorrência de casos positivos na cidade propiciaram ao HSV a completa estrutura para a pandemia. “Estruturamos leitos adicionais de UTI e chegamos a contar com 85 leitos exclusivos para COVID-19 além de 82 leitos de enfermaria dedicados à doença. A maior demanda chegou a 85%. Conseguimos, com a nossa estrutura enfrentar a pior fase até o momento. A readequação se faz necessária neste momento pelo cenário epidemiológico vivenciado”, detalha.

Ainda de acordo com o superintendente, os leitos de retaguarda do Hospital de Campanha continuam montados, no entanto, as equipes foram remanejadas para o atendimento interno ao HSV.