Lojas de Jundiaí se preparam para a ‘Black Friday’

Verificar estoque, planejar as promoções e divulgar as ações estão entre as obrigações dos lojistas para a preparação da Black Friday 2020 que cairá no dia 27 de novembro. Edison Maltoni, presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas de Jundiaí (CDL) e do Sindicato do Comércio Varejista de Jundiaí e Região (Sincomercio), afirma que os empresários devem planejar com antecedência a programação de vendas, a comunicação, precificação e estratégicas para impulsionar os negócios.

Para Maltoni, a Black Friday é uma data já consolidada no calendário do consumidor e de extrema importância para o comércio. Prova disso, ele cita que muitos lojistas e grandes redes fazem promoções antecipadas, como se fosse um “esquenta” para a grande data.

“Ainda que as grandes empresas liderem o processo de antecipação da Black Friday para impulsionar as vendas, este movimento também pode ser adotado pelos pequenos negócios, tendo em vista a necessidade de geração de caixa, pode  ajudar a vender uma mercadoria parada no estoque, propiciando a sua renovação”, pontua.

As entidades que representam mais de 14 mil CNPJS em Jundiaí e Região, orientam que entre os fatores que precisam ser levados em conta na avaliação sobre conceder (ou não) grandes descontos antes de 27 de novembro estão a renda extra do consumidor e o tipo de produto que pode ter uma busca antecipada estão (data oficial da Black Friday).

“É importante avaliar uma estratégia de descontos específica para o evento. Inicialmente o empresário pode conceder descontos mais conservadores e, também, começar a instigar os clientes para as grandes promoções do fim de novembro. As redes sociais podem ser um bom termômetro da expectativa dos consumidores”, aconselha.

Para Maltoni, o e-commerce deve estar ainda mais fortalecido nesta edição aproveitando o aumento do interesse dos internautas por promoções, hábito adquirido durante a pandemia. “Desta forma, este é o momento de investir ainda mais nesta plataforma de vendas, inclusive porque o consumidor mais cauteloso já está se ocupando em pesquisar por preços baixos com antecedência.”, observa.

Pesquisa

A expectativa em relação da Black Friday 2020 é positiva. Dados obtidos pelo Estadão junto ao Google Brasil revelam que, entre os dias 26 de agosto e 22 de setembro, 19 das 29 macrocategorias do varejo analisadas pela empresa de buscas já registraram um volume que supera a verificada na Black Friday do ano passado, o que indica uma edição gigante do evento em 2020 na comparação com anos anteriores.

Categorias como “móveis e decoração estão 22% a 51% acima do registrado no ano passado. Setores que historicamente não registravam picos na Black Friday, como “alimentos e bebidas”, estão neste ano num novo patamar de buscas: 40% e 23% acima do verificado no ano anterior.

Alguns termos têm atingido recordes de busca, como é o caso de “cupom” e “cashback”, com crescimento de 30% e 74% respectivamente. Outra tendência, também determinada pela pandemia, é a procura por frete grátis no buscador. Em julho deste ano, a procura pelo termo já era 118% maior do que no mesmo período do ano passado.

A CDL e o Sincomercio realizam pesquisa para compreender os planos de seus associados e contribuintes para a Black Friday. Para participar, basta preencher o link https://forms.gle/ScPk32sLLMBKtcmw8  até o dia 23/10. “As promoções podem ter efeitos positivos na atração dos clientes, sobretudo em um momento no qual a retomada da circulação das pessoas começa a acontecer. Conceder um desconto, agora, pode ser uma porta de entrada para novos clientes. Se eles lembrarem da sua marca e escolherem a sua loja na Black Friday, então a fidelização terá funcionado a favor do seu negócio”, observa Maltoni