Bancos não têm previsão de retorno do atendimento normal

A Federação Brasileira de Bancos (Febraban) informa que não há previsão do retorno do atendimento normal nas agências espalhadas pelo País. Leitor do “Jornal da Região” reclamou das condições atuais, com clientes ficando sob sol forte e até chuva, do lado de fora.

A Febraban explicou que a “atividade bancária faz parte do grupo dos serviços considerados essenciais, assim como saúde, segurança, alimentação e farmácia. Por isso não pode ser interrompida totalmente. É compromisso das instituições financeiras preservar a segurança de funcionários e clientes no exercício do atendimento bancário, especialmente quando se tratam de segmentos mais vulneráveis da população, como os idosos, gestantes e portadores de deficiência”.

A Federação diz que por mais que a tecnologia tenha evoluído, permitindo o acesso aos serviços bancários pelos canais digitais (mobile e internet), milhões de pessoas sentem a necessidade de serem atendidos nas agências bancárias, especialmente aqueles de públicos que dependem do pagamento de benefícios do governo.

Veja nota

“Importante deixar claro que o atendimento dentro das agências bancárias segue as orientações das autoridades sanitárias e de saúde e as recomendações do Banco Central. As medidas de higienização pessoal e das instalações bancárias, inclusive agências e caixas eletrônicos, foi intensificada.

Assim, para esse atendimento, foram asseguradas as condições de um ambiente de trabalho com proteção à saúde: higienização, distanciamento entre os postos de trabalho, controle do número de pessoas dentro da agência, organização de filas para que não haja contato entre os próprios clientes.

Além disso, o atendimento é em regime contingenciado, ou seja, com limite de pessoas no interior das agências e apenas com transações essenciais, as agências realizarão atendimento ao público pelo período mínimo das 10 horas às 14 horas, enquanto for necessário para atender às necessidades de combate à disseminação do Covid-19, responsável pela atual pandemia.

Para atendimento exclusivo para idosos, gestantes e pessoas portadoras de deficiências, o atendimento será das 9 horas às 10 horas, para impedir uma eventual contaminação de outros públicos com os grupos mais vulneráveis.

Existe um esforço do setor pelo alinhamento na adoção de práticas no enfrentamento ao coronavírus, mas cada instituição segue sua estratégia de negócios e política de organização do trabalho.

É natural e compreensível que estados e municípios adotem medidas para preservar as pessoas e evitar que fiquem expostas e vulneráveis à contaminação do novo coronavírus. Conciliar as demandas e decretos estaduais e municipais é um desafio.”