Alunos não querem Diretoria de Ensino na Escola Siqueira

Alunos, pais e professores da escola estadual Coronel Siqueira de Moraes entraram em embate com a Diretoria de Ensino do Estado em Jundiaí, que pela segunda vez pretende tomar mais espaços do histórico prédio escolar, localizado no bairro Vianelo, região central de Jundiaí. A Secretaria de Educação do Estado informa que a mudança deve ocorrer no segundo semestre de 2021, após uma reforma no Colégio Siqueira de mais de R$ 400 mil e deixará de pagar aluguel de R$ 47 mil por mês na Avenida Nove de Julho.

O aluno Brenno Mazaro, presidente do Grêmio Estudantil no Siqueira, contesta a nova incursão da D.E. ‘’O papel da Diretoria de Ensino deveria ser totalmente o oposto, como ajudar nossa escola a ser reformada e ter seus espaços ampliados para uso dos alunos e da comunidade, ao invés de novamente vir apropriar-se de parte do nosso prédio’’.

Brenno destaca que a escola, junto à comunidade, já realizou duas reuniões com a dirigente local da D.E., mas que mesmo sob os argumentos de pais, alunos e professores, a gestão local da Diretoria de Ensino continua irredutível.

O designer têxtil, Luciano Ordine Prado, pai de aluno, lembra que a D.E. já ocupou sete salas da escola, que faziam parte do Núcleo de Formação. ‘’Admitimos que nossa comunidade foi aberta e consensual, imaginando que haveria uma contrapartida de qualidade para nossas crianças, adolescentes, professores e dirigentes. Mas não foi isso que presenciamos. E, sendo assim, não permitiremos que a escola sofra mais essa incursão abusiva por parte do Estado’’.

Vanessa Aparecida de Almeida, educadora social e também mãe de aluno, destaca que a tomada das salas pela D.E. prejudica totalmente a organização já planejada pela escola e inviabiliza o espaço para os estudantes, incluindo o processo de ensino-aprendizagem.

Com toda essa pressão da D.E., Brenno informa que a comunidade escolar não somente se posiciona contra a apropriação, como já está contatando órgãos e autoridades responsáveis, exigindo providências imediatas para que a escola receba uma reforma à altura de seus alunos, pais, professores e da comunidade.

Entenda o caso

De acordo com a escola e o Grêmio Estudantil, no atual projeto, a Diretoria de Ensino deixa claro, a despeito das tratativas de reformas como contrapartida, que a escola Siqueira de Moraes e seus alunos irão perder as salas do ‘’Acessa’’, as salas 01, 02 (localizadas ao lado do Acessa), a sala 03, (de Artes), a sala 04 (Maestro), a sala 05 (ao lado da sala Maestro).

‘’Além desses espaços de suma importância, a Diretoria de Ensino também pretende transformar as salas dos Professores, da Direção, da Coordenação, a cozinha utilizada pelos alunos que vão da escola direto para o trabalho e precisam aquecer suas refeições, e a Biblioteca, em salas de aula. E metade do pátio também estaria comprometido dentro do atual projeto’’, conclui o Grêmio.

Manifestos

Nesta semana, pais de alunos entraram em contato com a Assembleia Legislativa e, por meio do gabinete do deputado estadual Emídio de Souza (PT/SP), conseguiram encaminhar um requerimento à Diretoria de Ensino questionando a apropriação das salas da escola.

O Grêmio Estudantil e toda a comunidade também preparam uma manifestação prevista para esta sexta-feira (23) em frente ao Siqueira, ocasião em que vão circular um abaixo-assinado que também já tem sua versão virtual no link https://bit.ly/37qFlPV