Voluntário da Coronavac morreu de suicídio

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), informou na tarde desta terça-feira (10) que adotou a suspensão dos estudos da Coronavac “por precaução”, já que não tinha maiores dados sobre o voluntário que morreu em São Paulo.

De acordo com Boletim de Ocorrência da Polícia Civil da Capital, o homem, de 32 anos, cometeu suicídio em seu apartamento. O companheiro dele ligou para a Administradora do condomínio solicitando que arrombasse a porta, porque a vítima não respondia às chamadas telefônicas.

Os agentes da Anvisa foram bastante criticados pelo Governo do Estado de São Paulo, porque divulgaram primeiro para a Imprensa a suspensão dos estudos da vacina, causaram danos irreparáveis à comunidade científica e não se deram ao trabalho de ligar para a Secretaria de Saúde, para perguntar qual era a causa da morte do paciente.

Segundo Dimas Covas, presidente do Instituto Butantan, a Coronavac é 100% segura e a única até o momento que não causou grandes problemas aos voluntários.

Os aviões contratados pelo Governo do Estado de São Paulo já foram reservados para trazer da China o primeiro lote da vacina, que chega no Aeroporto de Guarulhos no dia 20 deste mês.