Ocupação de leitos está quase no limite na região

Campinas atingiu na segunda-feira (18) a taxa de 87,7% de ocupação dos seus 236 leitos para pacientes com Coronavaírus. Com esse índice, se houvesse nova reclassificação do Estado, todas as cidades da região deveriam regredir de fase, como ocorreu com Sorocaba.

A Prefeitura pediu ao Governo do Estado a liberação de mais leitos para atender a demanda – que é a maior nos últimos quatro meses de pandemia.

Em Jundiaí também houve aumento nesse mês na ocupação de leitos. O índice de segunda-feira, quando foram registradas mais quatro mortes, foi de 76% de ocupação. Existem quase 160 pessoas internadas nos hospitais em tratamento.

Em Itupeva, o município passou a cuidar do tratamento de doentes de Cabreúva, em seu hospital.

Em Itatiba – que chegou a atingir 100% de ocupação -, houve a contratação pela Prefeitura de mais leitos.

Foi feito um ajuste no contrato inicial com a Santa Casa de Itatiba para que a ampliação atual fosse possível. Agora, com a alta de casos mais graves do número de internações, os leitos foram disponibilizados, aliviando o sistema de saúde e possibilitando que Itatiba siga na fase amarela de controle da pandemia do Plano São Paulo.

A decisão foi tomada a partir de reunião realizada no último sábado, 16, entre o prefeito Thomás Capeletto de Oliveira; secretário de Saúde Renan Irabi; secretário adjunto Lucas Zeponi Dall’Acqua e a Provedoria do hospital.

“A Prefeitura de Itatiba contratou emergencialmente mais seis leitos pra UTI. A ampliação foi necessária para dar maior conforto e possibilidade mais rápida de tratamento caso nossa população precise”, afirmou o prefeito.

Mesmo com a ampliação da capacidade de atendimento de leitos em UTI, as medidas de combate à pandemia seguem, inclusive com aumento da fiscalização municipal, especialmente quanto a aglomerações e orientações sobre a obrigatoriedade do uso de máscara.