Ministério Público e Polícia vão investigar queimadas em vegetações

A Polícia Militar, em conjunto com o Ministério Público do Estado de São Paulo (MP-SP), deflagraram nesta segunda-feira (10), a Operação Huracan para prevenir focos de incêndio em vegetações. Em Jundiaí, o promotor do Ministério Público, Claudemir Battalini, requisitou à Polícia Civil e à Prefeitura medidas no combate aos incêndios e identificação dos responsáveis.

De acordo com a Secretaria de Segurança Pública (SSP) do Governo do Estado, estão mobilizados na operação 450 policiais ambientais, além do Grupo de Atuação Especial de Defesa do Meio Ambiente (Gaema), da PMESP e do MPSP, respectivamente.

Entre as ações previstas, destacam-se as orientações a proprietários e produtores rurais quanto às medidas de prevenção, como a manutenção dos aceiros nos canaviais, e os planos de prevenção contra incêndio nas margens de rodovias, ferrovias, zonas de amortecimento de unidades de conservação e outros pontos de vulnerabilidade.

A operação tem forte componente didático, uma vez que se iniciam as ações de educação ambiental nas redes sociais como forma de conscientização de toda a população, com alertas para a não soltura de balões e cuidados com cigarros às margens da via.

Ainda há avisos sobre o perigo de realizar queimadas e acender fogueiras perto de matas e em dias de vento, orientações para a não soltura de fogos de artifícios próximo às áreas de vegetação, para não jogar lixo em terrenos baldios e não permitir que crianças façam uso de fósforo, isqueiros ou materiais inflamáveis.

A Operação

A denominação da ação faz alusão à mitologia maia, que define Huracan como o deus responsável por catástrofes naturais com a invocação de elementos como o vento, fogo e terra. Como objetivo a prevenção dos focos de incêndio a operação, consequentemente, visa a minimização dos impactos que estes incidentes acarretam à saúde da população.