Veículo de quadrilha que roubou fábrica de joias em Jarinu é encontrado em Cambuí (MG)

Um dos veículos utilizado pela quadrilha que roubou uma fábrica de joias em Jarinu e aterrorizou a cidade na madrugada desta terça-feira (13) foi encontrado em Cambuí (MG) e passará por perícia. Dentro dele estavam diversas cápsulas de arma de fogo.

Os criminosos fugiram pela rodovia Dom Pedro, sentido a Fernão Dias em direção a Minas Gerais. Câmeras de segurança registraram o momento que a quadrilha foge da empresa em quatro veículos. Pelo menos 15 pessoas participaram do assalto. Ninguém foi preso até esta quarta-feira (14).

A princípio, autoridades disseram que o bando havia roubado uma grande quantidade de ouro, mas a informação foi descartada posteriormente após a perícia ir até o local. De acordo com o boletim de ocorrência, os criminosos levaram três quilos de prata, 191 gramas de ouro, 500 peças de prata e cinco quilos de cobre. 

Criminosos atearam fogo em veículos para impedir a aproximação da Polícia Militar. Foto: Divulgação

O crime

Armados com fuzis, os criminosos atiraram na guarita da fábrica, derrubaram o portão e invadiram o local. Para dificultar a chegada da Polícia Militar, os ladrões atearam fogo em pelo menos quatro veículos na Estrada Municipal Santo Gastaldi, que dá acesso ao local.

Após o assalto, houve troca de tiros na estrada que liga Jarinu a Campo Limpo Paulista e também na estrada que liga a cidade a Atibaia.

Ainda de acordo com a polícia, após saírem da fábrica, eles teriam rendido um ônibus e roubado os pertences dos passageiros. O motorista, de 45 anos, chegou a ser usado como “escudo humano” pelos criminosos.

A quadrilha usou drones para sobrevoar vias de acesso ao local e monitorar a aproximação da Polícia Militar. 

O Grupo de Ações Táticas Especiais (Gate) foi acionado para verificar um objeto explosivo na região. O Grupo de Operações Especiais (Goe), a Delegacia de Investigações Gerais (DIG) de Jundiaí (SP) e a perícia também estiveram no local.

Em nota, a Secretaria de Segurança Pública (SSP) informou que, além do ataque à joalheria, investiga invasões a dois mercados de Jarinu, ocorridos na mesma madrugada. De acordo com a Polícia Militar, os criminosos se espalharam por vários pontos da cidade.

Segundo assalto

Esta não foi a primeira vez que a fábrica de Jarinu se tornou alvo de criminosos. Em 2012, um grupo com cerca de 10 pessoas armadas com fuzis invadiu o local e fugiu com metais preciosos. Na época, a polícia estimava uma quantidade entre 10 e 15 quilos de material roubado.

De acordo com a corporação, os suspeitos invadiram a empresa e obrigaram os funcionários a abrirem o cofre. Após ficarem cerca de uma hora e meia no local, os dez assaltantes trancaram os funcionários em um cômodo e fugiram, levando um trabalhador como refém.

Durante a fuga, pararam um carro particular no qual estava um PM à paisana e roubaram sua arma, o celular e a chave do veículo. O grupo seguiu até Guarulhos (SP), onde o refém foi libertado, e depois desapareceu.

Com informações do G1.