ARTESP diz que vai continuar fiscalizar a RLC para segurança dos passageiros

A ARTESP – Agência Reguladora de Serviços Públicos Delegados de Transporte do Estado de São Paulo informa que, após denúncias feitas pelos próprios passageiros da linha, realizou na segunda-feira, dia 02 de agosto, operação de fiscalização dos ônibus que operam o trajeto da Avenida Marginal – entre Campo Limpo Paulista e Jundiaí.

“Ao todo, os agentes de fiscalização de Transporte Coletivo Intermunicipal da ARTESP fiscalizaram 23 veículos responsáveis especificamente por este trajeto em Jundiaí, dos quais cinco foram interceptados.

Nestes casos, os passageiros tiveram que fazer transbordo para um novo veículo, regularizado.

Os ônibus autuados foram proibidos de circular até que as irregularidades sejam sanadas.

As autuações foram por conta da superlotação de passageiros e da ausência de declaração de vistoria dos veículos.

A ARTESP reforça às empresas, especialmente durante as operações de fiscalização, a importância da observação dos itens que garantem a segurança dos passageiros. Uma delas é o respeito à capacidade máxima de passageiros, independente do modelo do veículo.”

Segundo a Agência é fundamental destacar que, durante a pandemia do novo coronavírus, os veículos “tipo urbano”, convencionais, podem transportar até dez passageiros em pé, enquanto os modelos articulados poderão transportar até 20 passageiros em pé.

Em época normal, a capacidade máxima dependerá do modelo veículo e da autorização que consta na declaração de vistoria, emitida somente por engenheiros autorizados pela ARTESP.

A população pode denunciar irregularidades pelo telefone 0800 727 83 77. As ligações são gratuitas.

Resposta da Rápido Luxo

“A Rápido Luxo Campinas informa que a documentação dos veículos está em dia. No caso específico ocorrido hoje, a concessionária informa que, embora a frequência entre um veículo e outro seja de apenas 9 minutos, muitos passageiros que ficam nos pontos preferem não aguarda a vinda do ônibus seguinte. Com isso, os limites estabelecidos pela Artesp, de 10 passageiros em pé nos carros convencionais e, de 20 nos articulados, foram ultrapassados.

No trecho de Franco da Rocha, por exemplo, devido ao trânsito nesse local, embora os ônibus saiam no horário determinado, acabam ficando presos nesse trecho. E, por isso, existe ‘encavalamento’ na frequência e, assim, o veículo que sai antes fica um pouco mais cheio, enquanto que o seguinte quase sempre está vazio.

E, como faz 20 dias que a concessionária ampliou a oferta, outra possibilidade que está sendo analisada é o fato da retomada das aulas. De qualquer forma, a equipe técnica da concessionária acompanha as mudanças na demanda e faz os ajustes necessários.”