‘Família Acolhedora’ de Jundiaí é modelo para Indaiatuba

Representantes dos Conselhos Tutelares de Indaiatuba visitaram na manhã desta sexta-feira (24) a sede da Unidade de Gestão de Assistência e Desenvolvimento Social (UGADS) e do serviço de Família Acolhedora, que é vinculada à Unidade, interessadas no modelo jundiaiense do serviço de acolhimento para implantação em seu Município.

Batizado em Jundiaí de “Travessia”, o Família Acolhedora é realidade em somente 5% dos Municípios brasileiros. O serviço é uma alternativa ao formato institucional para o acolhimento provisório desde crianças recém-nascidas até adolescentes de 17 anos, afastados da família de origem mediante determinação judicial, tendo como causas negligência, uso abusivo de substâncias psicoativas, violência e abandono.

As conselheiras tutelares Roselene de Castro e Adriana Vieira representaram o Município de Indaiatuba e foram recepcionadas pelo diretor do Departamento de Proteção Social Especial da UGADS, Luiz Guilherme Camargo; e pela coordenadora do serviço em Jundiaí, Luci Mara Garcez Marin.

“De 40 a 60% da população em situação de rua vivenciou, em algum momento, a experiência de institucionalização. O modelo institucional, apesar da qualidade técnica, possui um regramento e a ciclagem de funcionários em turnos, o que não existe no ambiente doméstico, onde os vínculos afetivos existentes trazem solidez para a relação. Por isso, acompanhando esta que é uma tendência, apostamos neste modelo do Família Acolhedora e queremos compartilhar com os demais Municípios interessados”, explicou Luiz Guilherme.

Mara explicou que o serviço Família Acolhedora traz um olhar e um cuidado diferenciados, de afeto e proteção. “Até esta semana estávamos com nove acolhidos e nossa capacidade é de até 14. Mas é muito importante contar com mais famílias, pois entre um acolhimento e outro é necessário um tempo de reorganização e descanso. As inscrições para novas famílias acolhedoras estão abertas e para os novos inscritos devemos realizar uma formação ainda este ano”.

Segundo Roselene, o motivo da visita é a busca por modelos. “Jundiaí é um exemplo de boas-práticas e, como já conhecemos o modelo de escuta especializada, que nos agradou muito, achamos que seria novamente uma boa fonte”.

Adriana também ressaltou a qualidade dos serviços já oferecidos pela Prefeitura. “O Família Acolhedora é uma referência em países europeus e a preocupação com esse olhar diferenciado é algo que já vemos aqui em Jundiaí. Quisemos entender a sua estrutura e dar os parabéns por vocês já estarem tão avançados nas políticas para a Infância”.

Inscrições
Os interessados em participar do serviço podem se inscrever por meio de formulário on-line. Podem se inscrever maiores de 21 anos, residentes em Jundiaí, que não estiverem na fila de adoção e que não possuam pendências judiciais, problemas psiquiátricos e/ou dependência de substâncias psicoativas. Após a inscrição, os interessados serão informados quanto às etapas necessárias até a inscrição efetiva, como entrevistas, visitas domiciliares e encontros de capacitação.

Mais informações sobre o serviço podem ser obtidas pelo e-mail [email protected]