Itatiba entra no quarto mês da Operação Estiagem

Com a chegada de agosto, Itatiba entrou no quarto mês da Operação Estiagem realizada pela Defesa Civil. Esta operação, que alerta sobre o tempo seco, a baixa umidade relativa do ar e perigos da maior incidência de queimadas segue, inicialmente, até dia 30 de setembro.

Porém, as previsões meteorológicas apontam para um possível prolongamento da Operação Estiagem. “Há possibilidade de prolongar até outubro, caso não venham as chuvas”, comunicou Leila Recaman Cavalaro, coordenadora da Defesa Civil de Itatiba e da região.

Falta de chuva
A falta de chuva resulta no tempo seco, caracterizado pela umidade relativa do ar muito baixa e, ainda, agravado pelas queimadas. “O ideal da umidade relativa do ar seria 100%; nós estamos, no município, abaixo de 40%”, relatou Leila.

As pancadas de chuva não são suficientes para suprir a necessidade imposta pelo tempo seco. A última chuva registrada no município, datada de sexta-feira (29/07), foi de 5,8 milímetros. “No mesmo dia, a umidade relativa do ar foi 36,6% – quase em alerta”, informou a coordenadora.

Queimadas
Este índice da umidade relativa do ar é prejudicado pelas queimadas do período. “Quem provoca queimada para limpeza de terreno só prejudica a umidade relativa do ar e aumenta o risco de se alastrar, atingir residências e pastagens com animais – inclusive, os animais silvestres são muito afetados com esta situação”, disse.

O aumento de queimadas também influencia diretamente a área respiratória da população. “Levantamento hospitalar mostra que o atendimento para questões respiratórias aumenta muito nesta época do ano, principalmente de idosos e crianças afetados”.

As bitucas de cigarro igualmente merecem atenção: ao serem jogadas acesas nas rodovias, podem provocar queimada. “O ar está muito seco e isso causa incêndio na rodovia, pode causar acidentes gravíssimos, inclusive com óbitos, então é preciso tomar muito cuidado”.

Acionamento
O acionamento em caso de queimadas é através do 193, número de emergência do Corpo de Bombeiros. Caso seja flagrado o ato de colocar fogo em mato, a denúncia deve ser feita à Guarda Municipal Ambiental e Rural, que atende pelo número de emergência 153 e também pelo 4524-3577.

“A GM Ambiental vai até o local orientar e explicar o risco em que se coloca a população. Todos podem nos ajudar a fiscalizar e orientar vizinhos e conhecidos sobre esta situação”, reforçou Leila.

%d blogueiros gostam disto: