Mortos em confronto são investigados por roubos

O delegado de Campo Limpo Paulista, Adalberto Ceolin, acredita que os bandidos mortos em confronto com a Polícia Militar, na manhã desta quarta-feira (22), na Rodovia Edgard Máximo Zamboto sejam integrantes de uma quadrilha que vinha agindo na região.

Logo cedo três homens armados roubaram os produtos da loja do Boticário em Jarinu. Em dezembro uma loja do Boticário de Várzea Paulista também tinha sido roubada por bandidos armados.

O delegado explicou que todos os três envolvidos na ocorrência desta quarta-feira estavam armados com revólveres e enfrentaram a PM após um cerco na Rodovia.

Os marginais usavam um Fox, preto, com placas da cidade de Guarulhos.

Os policiais militares, ao serem informados do assalto, realizaram um cerco na rodovia em Campo Limpo.

Os bandidos tentaram fugir na contramão de direção e bateram no carro de uma pessoa que trafegava normalmente.

Após a colisão eles fugiram em direção a um matagal.

Houve confronto com os policiais. O primeiro baleado levou um tiro na perna e se entregou aos policiais.

Os dois outros foram perseguidos e no confronto acabaram baleados e socorridos ao Hospital de Clínicas de Campo Limpo.

No hospital os médicos constataram as mortes dos dois assaltantes.

Eles tinham no corpo várias tatuagens relacionadas ao crime.

O delegado requisitou a presença da Polícia Técnica Científica para exames periciais no local dos fatos, para instruir o processo que vai para a Justiça.

Foram requisitados pelo delegado Adalberto exames residuográficos nas mãos dos mortos, do homem preso e também dos policiais envolvidos na ocorrência, para tirar todas as dúvidas perante o processo na Justiça.

O suspeito sobrevivente recebeu voz de prisão em flagrante delito pelos crimes de Roubo Qualificado e Tentativa de Homicídio Qualificado contra os policiais militares que são vítimas.

Os produtos roubados do Boticário de Jarinu foram devolvidos pela Polícia Civil às vítimas.

Os investigadores da Delegacia vão verificar se o bando está envolvido em outros crimes na região.

As armas utilizadas pelos marginais estão apreendidas e serão encaminhadas ao Fórum de Campo Limpo Paulista junto com o processo.

Os corpos dos mortos foram levados ao Instituto Médico Legal (IML) para aguardar a presença de familiares para liberação.