Palestra marca Dia de Combate às Drogas e Alcoolismo

O que pode ser feito hoje para impactar positivamente a vida de alguém e evitar o uso de álcool e outras drogas? A pergunta sobre prevenção abriu, na manhã desta quinta-feira (20), o encontro do Conselho Municipal de Políticas sobre Drogas (COMAD), que lotou o auditório da Biblioteca Pública Municipal Prof. Nelson Foot, no Complexo Argos. O Conselho, cujos trabalhos foram retomados em 2018, é ligado à Unidade de Gestão da Casa Civil.

Voltado a profissionais da rede de assistência das áreas de Educação, Saúde, Segurança, Esportes e demais interessados no tema, o evento contou com a palestra “Prevenção do uso de álcool e outras drogas: pensando o papel da rede de serviços”, ministrada por Rodrigo Flaire e Claudemir dos Santos, da Coordenação Estadual de Políticas sobre Drogas.

Segundo a presidente do COMAD, Ariane Goim Rios, o encontro teve como objetivo marcar o Dia Nacional de Combate às Drogas e ao Alcoolismo, celebrado nesta quinta-feira, e chamar a atenção para a importância da prevenção. “O Conselho tem trabalhado ativamente para discutir o tema com a sociedade civil e profissionais de diversas áreas. Estamos finalizando um estudo que trará dados sobre o uso de drogas no município, e com isso será possível organizar ações concretas de enfrentamento”.

Rodrigo Flaire ressaltou que o tema tem sido cada vez mais presente na vida das famílias. “É impressionante como a droga tem assumido proporções alarmantes na nossa sociedade”, afirmou. “Por isso as ações de prevenção são tão importantes, conscientizando as pessoas e evitando a disseminação de um grave problema social”.

Cada poltrona no auditório trazia um folheto com sementes de flores, presas com fita adesiva, e uma frase do jornalista e professor Clóvis de Barros Filho: “O grande barato da vida é o pleno desabrochar da natureza de quem vive”. Segundo Ariane Goim Rios, além da frase, as sementes também são uma inspiração. “As sementes são diversas, e só vão se revelar quando desabrocharem, simbolizando que há diversas formas de desabrochar para a vida e cada pessoa é única em sua forma de lidar com a recuperação”.