Justiça Federal transfere para Jundiaí tráfico internacional

A Justiça Federal entendeu que a ocorrência de tráfico internacional de drogas, esclarecida pela equipe da Delegacia de Investigações Gerais (DIG) deve continuar sob a jurisdição da Delegacia Seccional de Polícia Civil e também da Vara Criminal do município, que tem o comando do juiz Maurício Garibe. Ao contrário do caso da RDA Investimentos, que ficou sob os cuidados da Polícia Federal e não teve esclarecimento até agora, a equipe da DIG fez um trabalho que foi elogiado pela Secretaria de Segurança Pública do Estado.

No dia 11 de fevereiro deste ano policiais civis prenderam quatro homens em cumprimento de mandados de busca e apreensão expedidos pelo juiz da 1ª Vara Criminal da cidade, doutor Maurício Garibe.

A ação resultou na apreensão de drogas avaliadas em R$ 2 milhões.

Equipes da Delegacia de Investigações Gerais (DIG) da cidade foram até um apartamento na Avenida 14 de dezembro, na Vila Rami, onde foi encontrado meio quilo de maconha e cerca de 11 quilos de drogas sintéticas puras, que servem para o preparo de Ecstasy.

Também houve a apreensão de diversos documentos e materiais para o preparo dos entorpecentes.

Dentro do imóvel foram presos quatros homens, sendo três mexicanos.

O brasileiro, que já estava sendo investigado, disse ser gerente de um hotel em Goiânia e os estrangeiros serem comerciantes de roupas na cidade de Guadalajara.

Segundo um deles, a droga vinha do México até Goiânia, passava por Jundiaí, e era revendida na cidade de São Paulo.

No local, também foi apreendido um Toyota Hylux, 1.470 pesos mexicanos, 30 mil pesos colombianos, 54 mil guaranies, além de notas de outros países.

Já no outro endereço, constante no outro mandado assinado pelo juiz Maurício Garibe, foi encontrada uma máquina retroescavadeira, com a identificação comprometida.

O galpão na Avenida da Uva, no Engordadouro, estava lacrado e ninguém foi encontrado. A perícia foi acionada.

O caso foi registrado na DIG de Jundiaí como associação criminosa e tráfico de drogas.

O delegado que comanda a DIG é Josias Guimarães.

Até o Governo do México tem interesse nessa investigação dos policiais civis de Jundiaí, para tentar identificar os demais envolvidos em seu País.