Trabalhadores da Krupp rejeitam greve

Em assembleia realizada pelo Sindicato na tarde desta quinta-feira (24), na thyssenkrupp, em Campo Limpo Paulista, os trabalhadores da multinacional decidiram suspender a deflagração de greve para manter o estado de greve contra o regime de turnos fixos, aplicado pela empresa em 14 de setembro. Além disso, a entidade sindical negociou com a empresa a estabilidade de emprego pelos próximos 60 dias e o pagamento integral das horas de paralisação, decorrentes dos protestos dos trabalhadores entre os dias 11 e 16 de setembro. Os requisitos também foram deliberados pelos trabalhadores.

Com isso, o Sindicato irá defender no dissídio coletivo a renovação do acordo de revezamento, modelo anterior aplicado pela empresa há 30 anos.

A entidade também vai sugerir um novo regime de turnos alternados, que consiste em revezamentos semanais nos turnos da manhã e da tarde e revezamentos mensais no turno da noite. As reivindicações serão apresentadas pelos departamentos jurídicos do Sindicato e da Federação dos Metalúrgicos de São Paulo (FEDMETALSP) no Tribunal Regional do Trabalho da 15ª Região.

“A luta ao lado dos trabalhadores vai continuar. O Sindicato atuará de forma intensa na esfera jurídica para fazer valer o ponto de vista dos trabalhadores, já que o mesmo não foi considerado durante o processo de aplicação dos turnos fixos”, declarou o diretor sindical, Wilson Ribeiro (Med), ao lado do presidente do Sindicato, Eliseu Silva Costa.

Trabalhadores e Sindicato
Na última segunda-feira (21), trabalhadores e Sindicato decretaram estado de greve, já que a audiência de conciliação realizada por videoconferência na sexta-feira passada (18), entre Sindicato e Thyssenkrupp, com o Tribunal Regional do Trabalho da 15ª Região, não gerou nenhum acordo. A proposta de turnos fixos, apresentada em 1º de setembro pela thyssenkrupp, gerou insatisfação e fez com que os trabalhadores cruzassem os braços nas duas horas iniciais de cada turno, entre os dias 11 e 16 de setembro.

Outro lado

A empresa, que mantém 1.700 trabalhadores, destaca que o acordo coletivo que previa o revezamento foi encerrado em 31 de agosto e que está seguindo rigorosamente a legislação ao propor a fixação de turnos.

O processo de fixação dos turnos na fábrica de Campo Limpo Paulista, iniciado no último dia 14, foi conduzido com total respeito e transparência junto aos seus colaboradores.

A empresa permanece no constante diálogo com o Sindicato no esforço de buscar o melhor acordo entre as partes.