A volta por cima de Várzea Paulista, pelo olhar de quem vive na cidade

Os últimos anos foram fundamentais para o crescimento de Várzea Paulista, isto é um fato indiscutível. E essa constatação vem daqueles que ajudam a construí-la diariamente. São Marias, Denises, Pedros, Paulos, Carolines, que passaram pelas dificuldades, sentiram de perto os problemas e hoje são a prova viva das transformações que a cidade passou.

De cidade falida a exemplo de gestão financeira, do mau cheiro ao esgoto tratado, dos buracos a pavimentação, da dependência de Jundiaí ao boom do comércio local.

Com as contas em dia e a cidade organizada, agora a cidade tem condições de conquistar avanços em áreas historicamente deficitárias. Diante de tudo isso, cabe a pergunta: Ao que se deve tamanha guinada? A resposta vem da própria população.

Enchentes
Depois de muito trabalho, Várzea Paulista concluiu a obra do “Piscinão”, última fase das obras de macrodrenagem do Córrego Bertioga. As enchentes e inundações que ocorriam sempre que as águas das chuvas invadiam o córrego que atravessa parte das regiões oeste e central da cidade era um dos mais graves problemas enfrentados pela população, mas isso agora parece ser coisa do passado. Além do Piscinão, obras de estabilização de encostas e canalização entre a avenida Fernão Dias e a rua Potiguara, construção de um Túnel Linner sob os trilhos de trem e a revitalização da Avenida Bertioga, transformaram um pesadelo em sonho dos varzinos.

Caroline fala sobre a cidade de Várzea Paulista

 

“Morei na rua Pedro Guilherme, próxima ao córrego Bertioga, por 13 anos e sei exatamente o que é perder tudo por conta das enchentes. Quando criança, eu e minha família fomos obrigados a sair de casa às pressas inúmeras vezes. Passamos madrugadas sem dormir, ao relento, esperando a chuva e a água baixarem para contabilizarmos os estragos. Carrego na memória cenas muito tristes dos meus pais lutando para salvar o pouco que tínhamos. Conheci uma pessoa que morreu vítima das águas… Quando soube da conclusão das obras no Córrego Bertioga, fiquei muito emocionada, feliz e aliviada pelos meus amigos que ainda moram no bairro Jardim São Gonçalo. É um alívio saber que o sofrimento, o pesadelo dessas pessoas acabou. Só entende o verdadeiro significado dessa obra e o que ela realmente representa, quem teve as roupas cobertas de lama depois de uma enxurrada. Não tenho dúvida de que essa obra devolveu a vida e a dignidade, para inúmeras famílias”. Caroline, 27 anos, ex-moradora do Jardim São Gonçalo.

 

Denise Fonseca, do Jardim do Lar

 

Ruas asfaltadas
São quase 400 ruas e avenidas, em todas as regiões da cidade, contempladas com recapeamento, pavimentação, revitalização, calçamento ou drenagem. São mais de 500 quilômetros de asfalto em mais de 40 pontos pelos bairros do município com mais de 70 mil pessoas beneficiadas, e uma delas é a Dona Denise, do Jardim do Lar:

“Moro no Jardim do Lar há 37 anos e ao longo do tempo meu bairro “morreu” aos poucos. De um bairro arborizado, limpo (nas décadas de 80, 90) ele foi se tornando uma área quase decadente, sem cuidado algum. Tínhamos vários problemas, inclusive de segurança. O asfalto era o mesmo de 37 anos atrás, ruas esburacadas, um grande risco para motoristas e pedestres. Mas agora, depois de tanto tempo, olharam por nós e o asfalto é novo. Os problemas ligados a violência diminuíram. De dois anos pra cá, o bairro voltou a respirar. Sinto-me feliz depois de praticamente uma vida inteira poder acompanhar essas mudanças, pois já havia perdido as esperanças”, conta a dona de casa.

O maior trabalho de recuperação urbana da história da cidade possibilitou uma nova cara aos bairros, permitindo melhores condições de tráfego e a valorização dos imóveis. Além disso, muitas áreas públicas e diversos pontos estratégicos também foram revitalizados, como canteiros, parques, praças, rotatórias e áreas de lazer. Para citar algumas: o totem “Eu amo Várzea Paulista”, inédito na região, a entrada da Prefeitura ganhou acesso para cadeirantes e a Avenida Bertioga exibe uma estátua em homenagem aos cidadãos Varzinos.

Mudanças
É claro, ainda há muito por fazer, mas hoje, Várzea Paulista deixou o anonimato e se tornou protagonista de suas próprias histórias, as mesmas histórias da Denise, da Caroline, dos Pedros, dos Paulos. Histórias de vida, de luta, de superação e, sobretudo, histórias com um final feliz, contadas numa cidade que ignorou as dificuldades, apagou o passado e mirou seus esforços no grande futuro que a espera. Parabéns Várzea Paulista!