Justiça barra candidatura de ex-prefeita de Cajamar

O juiz de Cajamar, Ricardo Venturini Brosco, barrou a candidatura da ex-prefeita da cidade, Dalete de Oliveira, do Partido Verde, para disputar as Eleições de 15 de novembro e de seu vice, Anésio de Campos.

Em seu despacho o magistrado explicou que intimada, a candidata deixou de apresentar documentos exigidos pela legislação em vigor da “Ficha Limpa”.

O Ministério Público Eleitoral manifestou-se pelo indeferimento do pedido de registro.

O principal problema na candidatura de Dalete foi que a chapa da qual ela participou na eleição de Paula Ribas foi cassada pelo juiz jundiaiense Filipe Levada, que identificou uma série de irregularidades na gestão do dinheiro público.

Dalete argumentou que a cassação foi de Paula Ribas. Mas o doutor Ricardo escreveu: “Entretanto, não merece prosperar o argumento aludido pela candidata, uma vez que o acórdão proferido naqueles autos manteve a sentença que declarou sua inelegibilidade e cassou
seu diploma, em razão de prática de abuso de poder político e econômico.”

Com essa decisão Cajamar terá seis candidatos a prefeito na urna: Camila Coutinho (REDE), Danilo Joan (PSD), Dr Giuseppe Conte (PSDB), José Neves (PSB), Professora Dirce (PT) e Professor Laerte (PSol).

Vereadores

Dos candidatos a vereadores de Cajamar, 22 tiveram os nomes impedidos de disputarem as eleições. Dentre eles o vereador Aguinaldo Camonge Ferreira, o “Pezão”, por ter contas rejeitadas durante a presidência da Câmara Municipal de Cajamar, quando foram constatados consumo exagerado de combustível ultrapassando a cota de 600 litros mensais e gastos de R$ 666 mil com horas extras de pessoal, sendo que uma pessoa chegou a receber por 16 horas extras em um único dia.

Vários vereadores da cidade aguardam julgamentos.

Também tiveram candidaturas indeferidas:

A candidata Maria Raimunda Alves da Silva, a “Carol”, não apresentou documentos exigidos pela legislação dentro do prazo.

O candidato Cosme do Gás também deixou de apresentar dentro do prazo os documentos exigidos para se candidatar.

Dr Gama, também referente à documentação.

O Dr. Marcos Silva Leite teve candidatura indeferida por não ter prestado contas de campanha das eleições de 2016.

O candidato Eduardo da Silva Prado teve negada a participação nas eleições devido prova de filiação partidária contraditória.

A candidata Eldenice de Jesus Silva não apresentou certidão da Justiça e a foto em desconformidade.

Fábia de Oliveira Leite é servidora municipal e não apresentou à Justiça a prova de desincompatibilização.

O Gaúcho do Maria Luiza teve registro indeferido a pedido do Ministério Público.

Gilvan de Souza teve pedido de candidatura negado por deixar apresentar documentação.

João Batista Fernandes, o “Joãozinho”, não entregou documentos dentro do prazo.

O candidato Jorge Machado teve impugnação solicitada pelo promotor do Ministério Público.

Laércio da Farmácia não apresentou todos os documentos dentro do prazo.

Marquinhos do Ipês pediu prazo para entrega de documentos, mas estava fora do prazo.

Nego Val não apresentou a Certidão da Justiça Estadual.

Nilton Mendes teve a candidatura impugnada a pedido do Ministério Público.

A professora Renata deixou de apresentar documento e a foto entregue à Justiça estava fora dos padrões.

Rubens Lopes dos Reis, o Reis, não apresentou comprovação de filiação partidária de no mínimo 6 meses.

A manicure Rosana Sales não apresentou comprovação de filiação partidária anteriores a seis meses antes das eleições.

Sylmara Marin não tinha também seis meses de filiação partidária e deixou de apresentar documentos.

Toninho Braz também teve indeferida candidatura por causa de documentos.

A comerciante Viviane Felix deixou de apresentar vários documentos.