Aeroporto de Jundiaí inicia voos comerciais

O primeiro voo comercial da Azul Conecta – braço jundiaiense da empresa Azul – partiu do aeroporto Comandante Rolim Amaro, administrado pela Voa SP, na manhã deste sábado (26), com cinco passageiros e destino ao aeroporto de Congonhas. A operação foi a primeira no modelo que tem como foco firmar o aeroporto de Jundiaí como um modal de transporte de ligação da malha aeroportuária nacional. A meta para o ano de 2021 é ampliar a oferta de destinos, que hoje contam com Congonhas, Santos, Porto Alegre e Goiânia.

“A Voa SP e a Azul Conecta inserem Jundiaí na malha aérea nacional, facilitando os acessos e interligando toda a Aglomeração Urbana de Jundiaí (AUJ), gerando emprego e oportunidades de negócios para todos”, explica o prefeito reeleito Luiz Fernando Machado.

O CEO da concessionária Voa SP, comandante Marcel Moure, prospecta crescimento no ano de 2021. “Começamos hoje, com voos ligando quatro cidades. A meta é alcançar mais destinos identificados pela demanda gerada na região. O setor de Jundiaí tem capacidade para operar seguramente com aeronaves de até 80 passageiros”, salienta.

Primeiros
A estreia não foi somente para o sistema de operação comercial do aeroporto da Voa SP de Jundiaí. Os filhos de Cláudio e Daniele dos Santos também realizavam o primeiro voo de suas vidas. “Ficamos sabendo da possibilidade de o aeroporto de Jundiaí passar a fazer voos comerciais e aguardamos a oportunidade. Assim que foi aberta, compramos. Vamos até São Paulo e lá alugaremos um carro para passear”, contou a mãe, que além dos dois filhos de 9 e 12 anos, está grávida de sete meses, pouco antes de embarcar.

Pietro, 12 anos, estava animado. “Eu estou contando os minutos”, explicou o garoto, que não perdia uma oportunidade para observarmos pousos e decolagens vistas da sala de embarque.

Cláudio que é gerente de Tecnologia da Informação e trabalha na região afirma que a inclusão de voos comerciais em Jundiaí facilitará as viagens. “Não será necessário fazer o trajeto de carro para outros aeroportos, por exemplo, além de incentivar o turismo. É fantástico”, aponta.