Palmeiras está na final da Libertadores. Jogo será no Maracanã

A final única da edição 2020 da Copa Libertadores será disputada às 17 horas (horário de Brasília), em 30 de janeiro, no Maracanã, no Rio, com Palmeiras x o vencedor de Santos x Boca Júnior. O Palmeiras passou pelo River Plate, na noite desta terça-feira (12), mesmo perdendo de 2 a 0, já que venceu a primeira partida.

O anúncio do dia e local da decisão foi feito pela Conmebol, que revelou também a não presença de público e o cumprimento rígido dos protocolos sanitários para tentar evitar a propagação do novo coronavírus.

No primeiro duelo, na Argentina, o time de Palestra Itália venceu por 3 a 0.

O outro time finalista será conhecido nesta quarta-feira (13), quando Santos e Boca Juniors vão se enfrentar na Vila Belmiro. No jogo de ida, em La Bombonera, houve empate sem gols.

O jogo decisivo da Libertadores deverá ser visto por cerca de 200 países.

O Reino Unido poderá assistir por intermédio do canal BBC, que também adquiriu os direitos de transmissão de outros seis jogos da Libertadores. Os fãs mexicanos também poderão acompanhar, assim como o fizeram nos jogos das semifinais.

Esta será a segunda vez que a Libertadores será decidida em apenas um jogo. A primeira foi em 2019, quando Flamengo e River Plate jogaram pelo título sul-americano, em Lima, no Peru, com triunfo da equipe brasileira, por 2 a 1, em uma virada histórica

Naquela oportunidade, cerca de 700 jornalistas, de 28 países, se credenciaram para acompanhar o confronto Brasil x Argentina.

Jogo difícil

O Verdão disputará sua quinta final de Libertadores. A primeira decisão foi em 1961 (quando perdeu para o Peñarol), depois chegou em 1968 (quando caiu diante do Estudiantes), a terceira foi em 1999 (quando derrotou o Asociación Deportivo Cali) e a quarta foi em 2000 (com derrota para o Boca Juniors).

Sofrimento no 1º tempo
Precisando de uma vitória, o atual vice-campeão da Libertadores assumiu desde o início o domínio do confronto. Já o Palmeiras assumia uma postura excessivamente respeitosa (com uma linha de cinco jogadores na defesa e apostando na saída rápida no contra-ataque), mas esta proposta de jogo não foi acertada, e deu aos argentinos o espaço para criar boas oportunidades.

E, após algumas boas chances, o time argentino conseguiu abrir o placar aos 28 minutos, quando o uruguaio De La Cruz cobra falta na área e Rojas sobe muito para ganhar no alto de seu compatriota Gómez para cabecear com muita força.

A partir daí o time argentino cresce ainda mais na partida, e, de tanto tentar, consegue ampliar o placar antes do intervalo. Aos 43 minutos, De La Cruz recebe na direita e cruza, Matías Suárez escora e Borré vence o goleiro Weverton.

Gol e pênalti anulados
Vem então o intervalo, e com ele a expectativa de que o Palmeiras consiga se acalmar e administrar a vantagem que construiu na partida de ida. Porém, o time paulista continua muito nervoso, e logo aos 7 minutos o ataque argentino volta a vencer o goleiro Weverton. Mas, após longa paralisação, o juiz, com auxílio do VAR (árbitro de vídeo), anula o gol por impedimento de Borré na jogada.

O River continua a ser o protagonista da partida. Mas, mesmo com tanta pressão, a equipe argentina acaba tendo um jogador expulso, aos 27 minutos, quando Robert Rojas acaba segurando Rony em um contra-ataque de forma irregular.

Mesmo com um homem a menos, o time argentino continua melhor, e tem um pênalti marcado a seu favor aos 29 minutos, quando Matías Suárez cai na área do Palmeiras. Montiel vai para a cobrança, mas antes de executá-la, o árbitro de vídeo chama o juiz de campo, que vai até o monitor rever o lance, e acaba anulando a infração.

Do Estadão Conteúdo