Gratuidade nos ônibus volta a ser suspensa

Após recurso da Prefeitura de São Paulo, o presidente do TJSP, desembargador Geraldo Francisco Pinheiro Franco, suspendeu liminar que mantinha a gratuidade nos ônibus urbanos da capital para usuários entre 60 e 64 anos.

De acordo com o magistrado, a decisão de primeira instância “deve ter sua eficácia suspensa dada sua potencialidade lesiva aos interesses públicos assegurados em lei, hábil a comprometer a ordem e a economia públicas.”

Pinheiro Franco lembrou que cabe à administração púbica a organização dos serviços de transporte público. “A decisão judicial não pode substituir o critério de conveniência e oportunidade da administração pública, na medida em que o Poder Judiciário não dispõe de elementos técnicos suficientes para a tomada de decisão equilibrada e harmônica. O exame judicial possível deve se ater aos contornos formais e de legalidade dos atos da administração, não podendo invadir o aspecto discricionário de outro Poder do Estado”, afirmou.

“Além disso, conforme sugerido pela Municipalidade requerente, a extensão judicial da gratuidade tarifária a conjunto significativo de pessoas pode afetar o equilíbrio econômico-financeiro dos contratos de concessão e gerar despesas destituídas de previsão orçamentária. Questão a ser tratada no exame do tema de fundo”, escreveu o presidente.