Moça de 21 anos é encontrada morta em clínica de recuperação

Uma jovem de 21 anos foi encontrada morta no interior de uma clínica para recuperação de dependentes químicos, na região de Jundiaí.

A Polícia Civil foi avisada e compareceu ao local, encontrando o corpo em um banheiro.

A clínica atua na recuperação de mulheres com dependência de drogas.

A Polícia abriu inquérito para apurar as circunstâncias e levou duas funcionárias que trabalhavam no local na hora dos fatos, para prestarem depoimento.

Elas explicaram que foram ao banheiro e encontraram a jovem com um cinto amarrado ao pescoço. Imediatamente retiraram o acessório e acionaram a equipe de ambulância, que constatou o óbito.

A família da vítima foi avisada e deverá comparecer ao Instituto Médico Legal (IML) de Jundiaí nesta sexta-feira (05), para fazer a liberação do corpo para sepultamento.

A Polícia registrou o caso como suicídio. Nessa semana, na região de Jundiaí, houve pelo menos um caso por dia.

Vila Rio Branco

Na madrugada de quarta-feira (03), o leitor do “Jornal da Região”, Júlio, relatou que salvou um jovem que tentava pular do viaduto da Vila Rio Branco na Avenida dos Ferroviários.

“Hoje, por volta das 03:30 da manhã, quando eu voltava do trabalho, me deparei com uma cena muito triste.
Ao subir a ponte, que dá acesso a Av. Henrique Andrés me deparei com um homem, com idade de 23 anos, tentando se suicidar.
Ele já estava quase pulando, quando eu passei por ele.
Eu, na hora fiquei muito nervoso, porque não é todo dia que a gente vê uma cena dessa.
Eu não cheguei a perguntar o nome dele.
Ele estava chorando muito.
Estava muito abalado pois a mãe dele, que mora em outra cidade, tinha acabado de passar por uma cirurgia para retirar um câncer e estava com covid 19.
Ele, chorando muito, disse que sentia muita falta dela e queria ir vê-la.
Eu, com toda calma e cuidado conversei com ele e consegui acalma-lo.
Convenci a sair dali para podermos conversar melhor.
Ele aceitou e saiu da grade. Que pra mim, já foi um grande alivio.
Eu propus a ele, irmos até o Hospital São Vicente, para ver um médico, pois seria melhor para ele.
(Essa foi a minha única ideia no momento, já que não poderia deixa-lo ali sozinho.)
Ele falou que tem uma irmã que mora aqui em Jundiaí.
Eu fui com ele até o Pronto Atendimento do centro e a enfermeira disse que ele seria medicado e ficaria em observação.”