Região tem 87% dos leitos ocupados por pacientes Covid

A Aglomeração Urbana de Jundiaí (AUJ), presidida pelo Prefeito Luiz Fernando Machado, ampliou em 87% o número de leitos dedicados ao tratamento de pacientes COVID-19 neste ano em relação ao ano passado. O avanço foi possível a partir da articulação regionalizada feita pelo chefe do Executivo jundiaiense, junto ao Governo do Estado para a viabilização de custeios para novos leitos, além de fortalecimento de parcerias existentes com equipamentos estaduais.

Entre os nove equipamentos de Saúde instalados nas sete cidades que fazem parte da AUJ, foi possível criar, neste ano, 234 leitos dedicados ao tratamento dos casos da pandemia do Novo Coronavírus, passando a contar com 430 leitos exclusivos em operação, contra 229 no ano anterior, ou seja, crescimento de 87%.

“Apresentamos ao Estado o projeto com os fluxos e as alternativas e conseguimos estabelecer a viabilidade. São iniciativas que garantem assistência integral aos pacientes na sua região, seja para a necessidade COVID-19 ou não, a partir das estruturas já existentes e as parcerias firmadas para oferecer completo atendimento aos mais de 800 mil habitantes da AUJ”, detalha o prefeito Luiz Fernando Machado, que também é o presidente da AUJ.

Até o ano passado, a microrregião da Aglomeração de Saúde de Jundiaí (AUJ) – contava com 33 leitos exclusivos COVID-19. Neste ano, a AUJ conta com 430 leitos. Somente Jundiaí conta com 258 leitos internos à estrutura HSV (103 UTI e 129 de enfermaria), 26 leitos de enfermaria no Pronto Atendimento Central (PA Central), além de 14 leitos de enfermaria na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) Vetor Oeste. As demais cidades viabilizaram a criação ou ampliação de leitos para o enfrentamento de forma regionalizada no total de 158 novos leitos exclusivos COVID-19.

“A Saúde funciona de forma regionalizada, em rede, desde 2018, quando foi reconhecida pelo Ministério da Saúde, e os serviços de Jundiaí HU e Hospital São Vicente de Paulo (HSV) passaram a ser referências de Rede de Urgência e Emergência para as suas habilitações. Com a COVID-19, foi necessário adequar a estrutura já existente e compartilhar os serviços de forma que se complementar os atendimentos necessários para todas as demandas”, completa o gestor da Unidade de Gestão de Promoção da Saúde (UGPS), Tiago Texera