Campo Limpo Paulista quer aumentar a rede de proteção do idoso

Apesar de ser difícil admitir, Campo Limpo Paulista registra tristes índices como casos de abandono, abuso econômico e maus tratos contra o idoso, tanto que o Conselho Municipal dos Direitos da Pessoa Idosa (COMDIPI) e a Secretaria de Assistência e Desenvolvimento Social traçam planos para melhorar essa realidade.

No Dia Mundial de Conscientização da Violência Contra a Pessoa Idosa, celebrado no dia 15 de junho, o COMDIPI e Prefeitura de Campo Limpo Paulista discutem novos planos para o município. O COMDIPI está estruturado para fazer um trabalho em defesa do Idoso na cidade. Hoje, já conta com CNPJ e em breve, deve iniciar diversas campanhas.

Para denunciar qualquer suspeita de violência ligue para o Disque 100.

Na cidade a população acima de 60 anos é estimada em quase 9 mil idosos (IBGE/Seade). Até 2050, a população mundial deve ser 1,92 bilhão. No entanto, paralelamente ao aumento da idade média da população, cresce a violência contra indivíduos da terceira idade.

Conselho do Idoso

Para o COMDIPI é preciso denunciar para amparar. “Temos ferramentas para melhorar a qualidade de vida do idoso vítima de violência. Mas é preciso saber que isso acontece”, fala Orlanda Maria Tessaro Barros, presidente do COMDIPI,  lembrando que Junho Violeta é o mês para alerta deste tema.  

Os idosos ficam mais vulneráveis e dependentes para a realização de atividades básicas da vida diária, economicamente ou de forma psíquica, sobretudo quando se trata de idosos com déficit cognitivo ou com limitações naturais do próprio envelhecimento.

Outro ponto importante, fala Juliana Ramos do CREAS, setor municipal que atende denúncias de violência, é que em muitas famílias há exploração financeira do idoso. “Não é só uma questão do momento crítico que vivemos, infelizmente é uma realidade. Inclusive com internação em ILPs irregulares, impactando diretamente a saúde”.

Novos projetos

Apesar de ainda depender do aumento de vacinados e da redução da contaminação pelo Covid, já estão em andamento projetos para aumentar o convívio, a integração e a rede de proteção ao idoso. Entre eles, a reestruturação do Grupo Conviver, mantendo a estrutura central e também levando atividades aos bairros, além do estudo e a implantação do Centro Dia, popularmente conhecida como a creche do idoso.

Hoje, o idoso conta com uma rede de proteção que envolve vários setores municipais. Para denunciar qualquer suspeita de violência ligue para o Disque 100. Lembre-se: a maior parte dos casos ocorre dentro dos lares, nas mais diversas camadas sociais, tendo os parentes como agressores e a pandemia aumentou no Brasil o registro dos casos em 60%.

Principais sinais

Idosos com aspecto descuidado, que apresentem marcas frequentes e inexplicadas no corpo e que tenham familiares ou cuidadores indiferentes a eles podem ser vítimas de violência.

O idoso demonstrar desconforto na presença de algum familiar ou cuidador também pode ser um sinal de maus-tratos. É importante, ainda, ficar atento se a pessoa antes comunicativa torna-se calada ou passa a se recusar a fazer atividades que antes eram de seu interesse.

Outros sinais de alerta são o idoso responder de maneira inadequada ou desmedida a uma situação cotidiana, passar a apresentar sinais de demência de uma hora para outra ou, ainda, estar desidratado, desnutrido, ter descumpridas as prescrições médicas e viver em condições inseguras.

O surgimento de dívidas em nome do idoso ou a diminuição incomum do seu saldo bancário, assim como o surgimento de infecções ou feridas inexplicadas na região genital, também exigem atenção.

Com informações da Prefeitura de Campo Limpo Paulista