Geadas vão afetar preços do café, hortaliças e frutas

LEONARDO VIECELI

(FOLHAPRESS) – Agricultores do interior de São Paulo relatam perdas com o registro de geada na manhã desta quinta-feira (29). O frio intenso decorre da massa de ar polar que chegou ao país nesta semana, derrubando temperaturas nas regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste.

No estado de São Paulo, há relatos de danos causados pela geada nesta quinta na região de Pardinho. A cidade fica a cerca de 200 quilômetros da capital paulista.

Luciane Correia, coordenadora dos cursos do Senar do Sindicato Rural de Pardinho, afirma que hortaliças, frutas, café e pastagem estão entre as plantações prejudicadas pelo frio rigoroso. Municípios vizinhos, como Botucatu, também registraram danos a lavouras, segundo ela.

A situação preocupa porque a região já teve outra geada neste mês. Ou seja, a nova onda de frio veio para agravar o quadro.

Segundo Luciane, o tamanho dos prejuízos ainda não pode ser dimensionado, porque é necessário tempo para ver como as plantas vão reagir nos próximos dias.

O certo é que a situação vai pressionar o bolso dos produtores. O cenário tende a gerar preços mais altos para os consumidores finais, diz a coordenadora.

“Nossa região foi bastante afetada. O pessoal estava mandando fotos de termômetro caseiro marcando -0,9ºC hoje pela manhã. A geada queimou pastagens, hortaliças. Frutas e café também foram prejudicados”, afirma.

“Com menos produtos no supermercado, a tendência é de aumento nos preços. Afeta o setor como um todo”, acrescenta.

Um dos produtores afetados pela situação é Otávio de Pontes Ribeiro Junior, 40. O morador de Pardinho teve uma área de pastagem de três hectares completamente prejudicada pelas geadas neste mês.

A plantação é usada para produzir alimento para cerca de 30 vacas e bezerros. Ribeiro Júnior vende leite para a indústria.

“O que a geada não pegou na semana passada, a de hoje acabou de dizimar. Quando a gente levantou para fazer a ordenha, às 6h, estava bem frio. Assim que passar o frio, voltar a chover e a temperatura subir, a pastagem rebrota. Mas isso vai demorar uns três meses. A geada não mata a raiz, mas queima as folhas na pastagem”, conta o produtor rural.

Devido aos estragos, ele terá de alimentar o gado com silagem, ração e suplementos. Essa combinação aumenta custos de produção e não é capaz de evitar perda de produtividade, diz Ribeiro Júnior.

A geada pode provocar prejuízos em plantações diversas. O tamanho de eventuais perdas depende da intensidade do fenômeno e do estágio em que se encontram as lavouras.

Em linhas gerais, a geada é caracterizada pela formação de camadas finas de gelo sobre superfícies, incluindo plantas. Para sua formação, é necessária uma combinação de fatores.

Essa combinação inclui temperatura baixa (perto de 0ºC), céu aberto e ventos calmos, segundo os meteorologistas Wallace Figueiredo Menezes, professor do Departamento de Meteorologia da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro), e Naiane Araujo, do Inmet (Instituto Nacional de Meteorologia).

%d blogueiros gostam disto: