Crianças aprendem sobre consumo consciente de água de forma lúdica

As irmãs gêmeas Marina e Rachel Franco, de dez anos, usam a água de forma consciente: além do banho rápido, elas desligam o chuveiro enquanto lavam o cabelo. Esse respeito com o meio ambiente as irmãs aprenderam em casa e nas aulas da professora Mileane Secatto do 5º ano na escola em que estudam, a Emeb Marcos Gasparian, no Centro. “Somente 3% de toda a água do mundo é potável, por isso precisamos economizar”, explicam, com o dado na ponta da língua.

Sobre esse tema, os alunos da escola da Marina e da Rachel e também da Emeb Professora Judith Almeida Curado Arruda, do Cidade Nova, acompanharam na manhã desta quarta-feira (22) a peça “Acabou a água do mundo, e agora?”. Com tradução simultânea em Língua Brasileira de Sinais (libras), o espetáculo teatral infantil será apresentado em quatro sessões, também nesta quinta-feira (23), para um total de 800 alunos de diversas escolas da rede municipal de ensino. Tratando do desperdício de água e de suas consequências, a peça narra a conscientização ambiental pela qual passam os irmãos Tonico e Tinoco quando descobrem que a água do mundo acabou, inclusive para beber e para os cuidados preventivos à Covid – 19.

O gestor da Unidade de Cultura, Marcelo Peroni, reforça a importância da atividade como formação a partir de uma atividade cultural. “Além de tratar de um tema importante e atual no contexto hídrico, a atividade é mais uma realização da plataforma de Educação e Cultura, oferecendo um espetáculo teatral em um de nossos equipamentos culturais para os alunos da rede municipal de ensino”

Para a gestora da Unidade de Educação, Vastí Ferrari Marques, o espetáculo ficará gravado na memória dos alunos. “A cultura, em suas diferentes artes, é muito importante no processo de aprendizagem dos estudantes. A vivência de ir ao Polytheama e assistir a um espetáculo de tão boa qualidade irá fazer parte da memória dos nossos meninos e meninas. O desemparedamento não é estar apenas fora da sala de aula e sim participar de atividades que tragam experiências significativas para as crianças”.

Os espetáculos são uma produção Rekriarte com co-produção da D’Color, e foram viabilizados pelo Programa de Ação Cultural (ProAC), da Secretaria Estadual de Cultura e Economia Criativa, com patrocínio das empresas Continental Pneus e Usinagem JJ.

A diretora-geral da Rekriarte, Roberta Melo, explica a escolha pelo Município para a realização das apresentações. “Jundiaí é uma referência e exemplo no cuidado com a água e estão sediadas no Município as empresas patrocinadoras. E por se tratar de um projeto contemplado em lei de incentivo, prezamos sempre pelas apresentações para os alunos de escolas públicas”.