Polícia investiga o 4º Golpe da Maquininha em Jundiaí

A Polícia Civil de Jundiaí continua investigando a série de golpes feitos por bandidos que se passam por motoboys para entrega de comidas e recebem com maquininha adulterada.

Mais uma vez clientes do iFood na cidade foram vítimas.

Leitora do “Jornal da Região” foi até o 1º Distrito Policial na Avenida Nove de Julho e relatou ao agente Xororó e delegado Antônio Dota Júnior que encomendou pelo iFood seis combos de sushis.

Pouco tempo depois uma pessoa ligou para ela informando que a moto do entregador tinha quebrado e o restaurante só iria cobrar os serviços do “novo entregador”, que era funcionário do estabelecimento.

Ficaria apenas uma taxa para pagar do motoboy de R$ 6,99. A vítima concordou.

Quando o motoboy chegou com a comida, ela passou o cartão na maquininha e não apareceu o valor do pagamento.

O motoboy foi embora e veio alertas em seu celular do débito da quantia de R$ 9.813,98.

Ela ligou para o banco, que não se responsabilizou pelo pagamento e nem informou para quem foi destinado o dinheiro.

Diante da situação a vítima comunicou o fato à Polícia Civil.

O criminoso que se passou por motoboy era branco, olhos claros, usava maquininha do “PagSeguro” e carregava uma bolsa vermelha com vários adesivos.

No golpe aplicado em outro cliente na quinta-feira (23), ele disse ao “Jornal da Região” que foram feitos débitos de mais de R$ 7 mil na maquininha depois de comprar pelo iFood em um restaurante do JundiaíShopping.

Passou três vezes o cartão, porque o visor da maquinha do entregador estava “apagado” e “dando erro”. Depois viu no celular que caiu em golpe. O entregador usava bolsa amarela do “99”.

No dia 16, quinta-feira, uma médica da rua do Retiro comprou pelo iFood em restaurante do Maxi Shopping refeição no valor de R$ 67,00. Também foi informada por criminoso que se passou como funcionário do restaurante que outro motoboy faria a entrega da comida e quando o entregador passou a maquininha, caiu débito de R$ 5 mil. O entregador usava uma moto sem placa e não dava para reconhecê-lo com máscara.

No mesmo dia uma jovem da Vila Rami, na Avenida 14 de Dezembro, comprou marmitex e o pagamento ao entregador foi feito na maquinha sem “visor”. Pouco tempo depois caiu o débito da quantia de R$ 2.040,79.

A Polícia Civil orienta os clientes do iFood a não pagarem nada por maquininha. Os policiais estão tentando prender o criminoso que se passa por motoboy.

A melhor opção é usar a forma de pagamento direto no aplicativo do iFood.

O aplicativo foi procurado pelo “Jornal da Região”, por meio da Assessoria de Imprensa, que não respondeu aos questionamentos sobre o que está fazendo para tentar identificar quem são os golpistas e como eles têm acesso às informações dos clientes e dos restaurantes.

 

%d blogueiros gostam disto: