Jundiaí espera arrecadar R$ 3,79 bilhões em 2023

Em sessão realizada na Câmara Municipal de Jundiaí, na manhã desta terça-feira (29), a Lei Orçamentária Anual (LOA), – que define o Orçamento para 2023 -, foi aprovada por unanimidade pelos vereadores presentes. A aprovação ocorreu um mês após o Gestor José Antônio Parimoschi e o diretor do Departamento de Orçamento, Luiz Fernando Boscolo, apresentarem ao Poder Legislativo os detalhes da proposta em audiência pública.

“A aprovação unânime do Poder Legislativo indica que a proposta apresentada visa atender as principais demandas e dar andamento aos projetos prioritários para a população. Jundiaí é a cidade que melhor aplica os tributos arrecadados, e em 2023 não será diferente”, comenta o Gestor de Governo e Finanças, José Antonio Parimoschi.

A LOA é a peça de planejamento que fixa o Orçamento Municipal para o próximo ano. Ela é organizada a partir da estrutura dada pela Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO), que foi aprovada em julho desse ano, em compatibilidade com suas metas e prioridades, bem como com o Plano Plurianual, o PPA 2022-2025, que contem as metas para os 4 anos de governo. No documento foi definido que as áreas de maior atenção para 2023 serão a Educação, Saúde, Emprego e investimentos voltados à 1ª Infância, setor em que Jundiaí se destaca, pelos compromissos pactuados no programa Cidade das Crianças.

 

Primeira Infância faz parte das diretrizes do orçamento da cidade para o ano de 2023

A previsão de arrecadação do município para o próximo ano é de R$ 3,79 bilhões. A educação das crianças segue como um dos principais investimentos da gestão e 21,54% dos recursos totais serão destinados a ela. Já o índice de aplicação constitucional no ensino básico está projetado em 27,24% – vale dizer que o investimento é maior do que os 25% previstos por lei. A saúde terá 22,86% do orçamento do município e o índice constitucional de aplicação dos recursos de impostos está projetado em 26,85%, também maior do que os 15% previstos pela constituição federal.

O documento completo pode ser consultado no Portal da Transparência.

%d blogueiros gostam disto: