Cursos em unidade móvel agradam alunos

Começar algo novo, muitas vezes, pode parecer complicado. Mas, mãe e filha decidiram, juntas, se aventurar em um curso de artesanato, oferecido pela Prefeitura de Jundiaí, por meio do Fundo Social de Solidariedade de Jundia. Creusa Aguiar Silva, de 63 anos, e Claudinéia Aguiar Prado, de 42 anos de idade, fazem parte da turma de Patch Embutido e Patch Aplique, ministrada na unidade móvel do Centro Paula Souza, estacionada em frente ao Paço Municipal.

“Eu já tinha feito Manicure e Pedicure, além de Pintura em Tecido. Mas, fiquei encantada com o que vi nesta aula”, disse Néia. Viúva e mãe de dois filhos, a pedagoga e pensionista aposta no artesanato como forma de complementar a renda da família. “Fazemos diversas peças e vendemos para pessoas próximas ou presenteamos amigos e parentes”, contou. “É tão legal ter uma companhia para vir ao curso. Pela nossa ligação, então, me parece que flui ainda melhor”, explicou a senhora.

Há quem tenha encontrado a oportunidade da qualificação para ajudar outras pessoas. Este é o caso da Salete Aparecida Oliveira Ramos, de 60 anos de idade. Ela soube do curso por acaso: “Precisei vir à Prefeitura e observei a carreta estacionada. Quando soube do que se tratava, imediatamente, me inscrevi. Participo de um grupo social, na igreja que frequento, e quero transmitir este conhecimento às mulheres em vulnerabilidade que são auxiliadas por nossa iniciativa”.

Diferentes histórias que passam pelo Fundo Social, todos os dias, reafirmam a importância da oportunidade de conhecimento e aprendizado, oferecida na cidade. “Já recebemos pessoas em conflitos emocionais e que, pela convivência e dedicação, deixaram de fazer uso de medicamento. Outras, que descobriram talentos e decidiram empreender. Até mesmo quem já tinha a habilidade, mas precisava aprimorar técnicas para produzir itens mais elaborados”, explicou a professora Neide Pillekamp.

 

Segundo ela, em pouco tempo, os alunos adquirem capacidade técnica para produzir peças atrativas e com bons acabamentos. “Neste curso, por exemplo, já no primeiro dia, os participantes aprenderam a desenhar, colar e sulcar o depron, além de fazer a combinação de retalhos. Ao final, uma peça desta pode ser comercializada por R$ 30 ou mais, de acordo com a aplicação realizada”.

Além do curso de Patch Embutido e Patch Aplique, a unidade móvel do Centro Paula Souza também recebe os módulos de Costura e Patchwork. As capacitações são possíveis graças a uma parceria do Município com a instituição de ensino. Na carreta adaptada, os alunos têm acesso às máquinas, bancadas apropriadas para o trabalho manual, ferramentas e insumos, gratuitamente. “Quando eu vi tudo o que era oferecido para os alunos, fiquei surpresa. Poucas cidades apostam, desta maneira, na população”, disse Salete.

“O Centro Paula Souza, um dos parceiros do Fundo Social, acreditou neste projeto transformador de vidas, que também é a nova vocação do Funss. Os cursos oferecidos são de qualidade e atendem às necessidades da população, que busca geração de renda rápida e com custo inicial baixo”, explicou Vanessa Machado, presidente da unidade. De janeiro até o mês de outubro deste ano, o Fundo Social ofereceu 8.245 vagas gratuitas em cursos de qualificação profissional, workshops e oficinas. O número referenda a consolidação do trabalho, já que, em 2018, o Funss disponibilizou pouco mais de 5 mil vagas gratuitas. “Seguiremos firmes neste trabalho que transforma talentos em oportunidades e fortalece a vida das famílias que residem em Jundiaí”, concluiu.

 

 

%d blogueiros gostam disto: