Bandidos aplicam golpe do Cartão de Crédito

Se você receber uma ligação falando que é da administradora do cartão de crédito e houve lançamentos indevidos na sua fatura, suspeite de golpe. Avise que você vai ligar pelo telefone 0800 que consta no verso do cartão e não prolongue a conversa.

Bandidos conseguem acesso aos dados do cidadão e depois criam todo um sistema para enganar a vítima.

Em dois dias a Polícia Civil de Jundiaí recebeu três queixas de clientes de cartões de crédito que foram vítimas dos marginais. Um deles perdeu com o golpe a quantia de R$ 40 mil.

O agente Xororó, do 1º Distrito Policial, disse que as vítimas ficam desesperadas quando descobrem que caíram no golpe. Elas correm nos bancos para tentar bloquear o cartão, mas já é tarde.

De acordo com um policial, as administradoras de cartões de crédito entendem que a falha foi do cliente, porque é responsabilidade dele cuidar do cartão e da senha.

Como funciona

O golpista liga para o dono de cartão de crédito e avisa que houve lançamentos indevidos. Como eles conseguem acesso às faturas – muitas vezes roubadas de carteiros -, sabem onde a pessoa fez compras e os hábitos.

Em seguida diz que houve lançamento de algum valor absurdo e pergunta se o cliente quer mesmo fazer o cancelamento do débito. Para isso vai precisar confirmar alguns dados.

De posse desses dados, o suposto funcionário do cartão diz que vai mandar o “motoboy” para recolher o cartão com “problemas”.

Depois de algum tempo aparece um motoqueiro na porta da pessoa e diz que foi retirar o cartão.

Assim que o cliente “entrega” o cartão, os golpistas iniciam compras em diversos estabelecimentos, até estourar o limite.

As administradoras dos cartões entendem que essas compras – mesmo indevidas -, foram realizadas com a “autorização” do cliente.

Para tentar anular as compras a pessoa deve contratar um advogado e iniciar uma briga longa na Justiça. Mas pode perder as ações, uma vez que entregou espontaneamente o cartão para terceiros.

A partir da entrega do cartão ao motoboy é que a vítima proporciona o verdadeiro golpe.

É igual ao do WhatsApp, onde os criminosos pedem o código de verificação que vem pelo SMS e depois sequestram a linha, pedindo dinheiro para os contatos.

Casos repetidos

No ano passado o “Jornal da Região” já publicou matéria semelhante, quando cerca de 10 moradores de Jundiaí tinham sido vítimas. Bandidos chegaram a falar que havia lançamentos indevidos da revista IstoÉ, da Veja e de publicações da Editora Globo. No desespero, os clientes “mandaram cancelar” os débitos, mas entregaram para motoboys os cartões, tendo muitos prejuízos.

Uma das vítimas do ano passado sofreu prejuízo de R$ 25 mil com compras de produtos eletrônicos, celular iPhone e roupas em um shopping da cidade.

O conselho do agente Xororó da Polícia Civil é para que os clientes que suspeitarem de irregularidades entrem em contato com o telefone 0800 da bandeira do cartão, para tirar dúvidas. Nunca receba as ligações e prolongue a conversa.

Faça você mesmo a ligação para a central verdadeira e se for o caso destrua o cartão com problemas, para solicitar um novo.