Educação destina alimentos a alunos em situação de vulnerabilidade

A Unidade de Gestão de Educação realizou nesta quarta-feira (25) o repasse de alimentos para as famílias de cerca de 750 crianças matriculadas na rede municipal. Os alimentos, que faziam parte do repasse programado para as unidades escolares para a semana, quando, por conta do enfrentamento ao Coronavírus, a presença de alunos ainda era opcional e adesão foi, na média, inferior a 5%, foram entregues em kits aos responsáveis das famílias identificadas como em vulnerabilidade social.

As entregas foram feitas em 52 unidades escolares. Cada família recebeu um kit por aluno matriculado nas escolas. Os kits continham arroz, feijão, bolachas, açúcar, enlatados, maionese, molho de tomate, leite em pó, proteína de soja, mistura para preparo de bolo e frutas, como peras e maçãs. Algumas unidades entregaram também pés de alface.

A gestora Vastí Ferrari Marques explica que a logística é resultado do trabalho conjunto entre a Unidade Gestora e as unidades escolares. “Realizamos um trabalho junto às escolas na identificação das crianças que estivessem em situação vulnerável. As unidades possuem a vivência com os alunos e avaliaram caso a caso, entrando em contato com os familiares. Assim, esperamos minimizar os efeitos desta pandemia e garantir a alimentação dessas crianças durante a quarentena.”

Na Emeb Professora Judith Almeida Curado Arruda, no Cidade Nova, foram entregues cerca de 50 kits. A Joelma Brito levou para casa dois kits, já que os filhos Guilherme, de oito anos, e o Davi, de seis, estudam na escola. “Me surpreendi com esta iniciativa da Prefeitura. Achei de grande valentia. Estou desempregada e a única renda lá de casa era do meu trabalho como diarista e vendedora. A quarentena trouxe dificuldades e esse alimento ajuda e muito”, comemora a moradora do Jardim Tamoio, que tem ainda dois outros filhos: Carlos Eduardo, de onze anos, e Lívia, de três.

Já entre os 20 kits entregues na Emeb Professor Antônio Adelino Brandão, no Morada das Vinhas, Edilson da Cruz também levou um para casa. Pai do Enzo, de oito anos, Edilson mora no Residencial Jundiaí e trabalha como vendedor de gás. “A gente se vira do jeito que pode. Por isso toda ajuda é bem-vinda. Por enquanto ainda há trabalho, mas tudo dependerá do funcionamento da distribuidora do produto para seguirmos com a atividade”. Na casa da família moram ainda a mãe Silvana e os filhos Mary Ellen, de 12 anos, e Fernanda de cinco.

A Unidade de Educação também fez o repasse de perecíveis, como frutas, legumes, verduras e pães para a FUMAS, que destinou os alimentos para as entregas excepcionais do Banco de Alimentos na Vila Dignidade e no Vila dos Idosos e para seu Programa de Suplementação Alimentar (PSA). Houve também destinação para o Hospital São Vicente de Paulo.

Apesar de se tratarem de alimentos comprados com dotação orçamentária da Educação, a destinação para outros fins, como redução de desperdícios e garantia de segurança alimentar. A medida está prevista como providência necessárias para plano de atendimento emergencial, segundo decreto nº 28.926/2020, que declara estado de calamidade pública.