Preços do leite e do feijão assustam consumidores

Quem anda pelos supermercados de Jundiaí e região tem notado, desde a última semana, um aumento nos preços de vários produtos. Mas o pacote de feijão e a caixinha de leite podem ser apontadas como as principais vilãs na compra em tempo de coronavírus e quarentena.

Vários leitores estão enviando fotos de preços dos itens, questionando o aumento, considerado abusivo por eles. A primeira orientação é para que a denúncia seja feita ao PROCON, assim a entidade pode tomar providências para limitar esse aumento se não houver justificativa.

No site da Fundação Procon-SP, o órgão informa que notificou nesta terça-feira (7) 16 fornecedores de alimentos que aumentaram o preço de itens que compõem a cesta básica durante a pandemia de coronavírus. A denúncia foi feita pela própria Apas (Associação Paulista de Supermercados), que diz que os preços do leite, arroz e feijão aumentaram nos últimos meses.

De acordo com um levantamento feito pelo Procon-SP, desde fevereiro uma única marca de feijão aumentou mais de 75% o preço do produto nas prateleiras. Outras sete marcas, que além do feijão também vendem arroz, subiram os preços entre 30% e 73%. Por fim, segundo a fundação, fornecedores de leite também aumentaram os preços entre 30% e 40%.

“Se o preço subiu, o Procon vai querer saber porque elas venderam os produtos arroz, feijão e leite mais caro pros supermercados no mês de março em plena pandemia do coronavírus. E se não houver uma explicação razoável elas vão ser multadas em até R$10 milhões”, diz Fernando Capez, diretor executivo do Procon-SP.

Em Jundiaí, as denúncias podem ser feitas pelo 151 ou ainda pelo aplicativo da Prefeitura de Jundiaí. Com os campos ‘Denúncias de abuso de preços’ e ‘Denúncias sobre aglomerações, o objetivo do aplicativo é facilitar o mecanismo de denúncia pela população.