20 mil pacientes passam pelo dentista no PA Central a cada ano

“Não abrir mão de uma boa higienização bucal, escovando os dentes e a língua e utilizando o fio dental. Além de examinar frequentemente se há algo diferente na boca ou na língua, como manchas e até um caroço no rosto que possa ter relação com os dentes”, são essas as orientações de Ada Maria Fossen, dentista do Hospital de Caridade São Vicente de Paulo há mais de 30 anos, para cuidar da saúde bucal neste dia 3 de outubro, dia mundial do dentista.

O atendimento é realizado no Pronto Atendimento Central, logo ao lado do HSV. Por mês são mais de 1.650 pacientes, um total de 20 mil atendimentos por ano. A atividade é realizada 24 horas por dia por uma equipe de 16 profissionais, coordenadapor José Antonio Kachan Junior.

Ada explica que o trabalho dentro de um consultório e em um Pronto Atendimento são bem diferentes. “No consultório o paciente tem horário marcado e geralmente é realizado um tratamento do início ao fim, a fim de reabilitar a saúde bucal. Já no Pronto Socorro, são casos bem críticos, como traumas que exigem um atendimento imediato para a solução. Nunca sabemos o que irá chegar”, conta. Dentre essas ocorrências, além de politraumas, o atendimento é feito em casos de abscessos (acúmulo de pus) em dente ou gengivas, extrações emergências e tratamento de dores.

Com tantos anos de experiência, Ada relata que já viu muita coisa, mas que nada se compara aos casos de pacientes com paralisia cerebral com miíase. Trata-se de uma infecção causada pela presença de larvas e moscas. “Infelizmente esses pacientes não têm o reflexo de espantar uma mosca e o problema acaba se manifestando”, conta ela sobre os casos mais críticos.

A dentista explica que existe uma falta de conscientização da importância dos dentes. “Há um encaixe entre os dentes para que eles cumpram sua função, por isso, manter cada um deles é essencial. A primeira dentição, os dentes de leite, também precisam ser tratados e bem cuidados, são eles que guardam o espaço para os dentes permanentes”, salienta.

Já no que se refere à alimentação, os doces são permitidos, mas exigem um cuidado a mais. “Pode comer doce, mas o importante é que logo em seguida seja feita a higienização. Em 2 ou 3 minutos, já se começa a fermentação e a formação de placa”, explica.