Jundiaí investe R$ 10 milhões na prevenção de enchentes

Chuvas fortes, normalmente acompanhadas por raios, podem alagar ruas, avenidas, córregos e casas, causando danos materiais e colocando em risco a vida das pessoas. Pensando na prevenção e de olho no presente e no futuro, a Prefeitura de Jundiaí está executando ações de curto, médio e longo prazo visando evitar transtornos aos munícipes, que incluem a limpeza de bocas de lobo (que escoam as águas pluviais), desassoreamento de rios e córregos, poda de árvores e a construção de sistemas de drenagem e de contenção de encostas por toda a cidade, que vem exigindo investimentos de R$ 10 milhões.

“Se a população também ajudar, descartando este tipo de item no local correto e respeitando os dias certos de coleta seletiva nos bairros, teremos menos transtornos aos cidadãos na hora que a chuva forte cair”, ressaltou o gestor da Unidade de Gestão de Infraestrutura e Serviços Públicos, Adilson Rosa. “Uma rua alagada pode causar acidentes, atrapalha a locomoção das pessoas e facilita a transmissão de doenças, caso os sacos com restos de comida vazem”, emendou Adilson.

A poda de árvores também vem sendo intensificada em janeiro, bem como a remoção daquelas que estão “doentes” e oferecem risco de cair, ou seus galhos despencarem. Os mutirões promovidos pelas empresas terceirizadas pela prefeitura, inclusive nos finais de semana, ainda incluem roçada e raspagem do mato em ruas, avenidas, praças, escolas e Unidades Básicas de Saúde (UBSs).

Para solicitar estes serviços, bem como a limpeza das bocas de lobo, o cidadão deve ligar para o telefone 156 – o canal de comunicação entre o munícipe e a Administração Pública.

 

Obras de drenagem e contenção

Um total de R$ 7 milhões, originado do financiamento do Finisa (da Caixa Econômica Federal), está sendo investido pela Prefeitura de Jundiaí em obras de contenção de encostas e de drenagem de água pluvial para combater as enchentes. Vários bairros do município estão sendo contemplados. Deste valor, mais de R$ 4 milhões estão direcionados à drenagem de seis pontos sensíveis da cidade. Um deles, na Rua Cândido Mojola, na Vila Hortolândia, foi vistoriado na manhã de sexta-feira (17) pelo prefeito Luiz Fernando Machado.

“É uma obra de infraestrutura urbana com resultado na melhora da qualidade de vida das pessoas. Como qualquer intervenção estrutural, haverá transtornos para quem circula e vive na região, mas é importante levar em conta que o incômodo será temporário para a entrega de uma melhoria permanente”, disse o prefeito.

Os serviços, iniciados no dia 6, tiveram a rua Cândido Mojola como ponto inicial a partir da tubulação na saída do Rio Jundiaí-Mirim, para onde a água da chuva será escoada. Este trecho ainda compreende as ruas Maria de Lurdes F. Silveira, Palmira Cervi e Roberto Dias e terá investimento de cerca de R$ 890 mil, com conclusão prevista para o primeiro semestre de 2020. Todos os seis trechos têm previsão de término das obras em 31 de outubro deste ano.

Ainda na Vila Hortolândia, outro trecho será melhorado, compreendendo as ruas Irma Traldi, Dr. Ramiro de Araújo Filho, Rio Claro e Itirapina. Os demais bairros incluídos no “pacote” de obras de drenagem são Vianelo (ruas Zuferey, Lobo de Rezende, Dr. Hegg e Capote Valente), Jardim Paulista (rua Giovani Morandini), Vila Arens (ruas Altino Arantes, Riachuelo, República e Regente Feijó e Av. São Paulo) e Jardim Pacaembu (rua Dr. Hélio Campos).

A Prefeitura também está investindo mais de R$ 1,2 milhão na contenção das margens do Rio Jundiaí e córregos do Mato (na Av. Nove de Julho), do Guapeva (na Av. Catorze de Dezembro). Os servidores da unidade de gestão ainda estão realizando o desassoreamento dos córregos da Toca, Japi Guaçú (Vila Maringá) e Bianchini (Ivoturucaia), entre outros.

Outros R$ 2 milhões estão sendo direcionados para a execução de obras de drenagem nas ruas Bom Jesus de Pirapora (trechos com a Rua Pedro Massagardi e entre as ruas Nelia Petroni e José Bedendo) e Paschoal Guzzo, na região do Jardim Messina.

 

Mapeamento e ‘piscinão’

Desde o começo da atual gestão, a Prefeitura e a Defesa Civil vêm mapeando cerca de 70 pontos do município considerados de risco, visando o trabalho de prevenção de enchentes. O gestor da UGISP, Adilson Rosa, explica que os locais foram classificados de acordo com a prioridade (muito alta, alta, média e baixa), a fim de dar mais eficácia aos serviços, que incluem, principalmente, desassoreamento, limpeza e estabilização de taludes (planos de terreno inclinados que limitam um aterro e têm como função garantir a estabilidade do terreno).

“Na região do Jardim Tulipas, foi feito o desassoreamento do Rio Jundiaí e construído um “polder” (piscinão) para retenção de águas pluviais, além da implantação de galerias na parte mais crítica do bairro. Por conta desses investimentos, que somaram R$ 2,4 milhões, não houve mais registro de problemas causados pelas chuvas no bairro”, lembrou Adilson.

O polder – que tem capacidade para 7 milhões de litros de água e 200 metros de extensão – foi inaugurado em 2019 e trouxe tranquilidade para muitos moradores do Tulipas, principalmente para quem vive na Av. Marginal do Rio Jundiaí, como o aposentado Odival Pereira. “Quando chovia forte aqui a coisa ficava crítica. Não tínhamos segurança alguma e a água invadia nossas casas, destruindo móveis, TVs e roupas e estragando alimentos”, lembrou Odival.

“Aqueles momentos ruins já passaram. Nunca vou esquecer dos moradores colocando os móveis molhados e danificados na calçada. Agora, com o piscinão em funcionamento, nossa rua ficou com outra cara. A chuva no Tulipas não é mais problema”, completou o aposentado.

 

Próximas obras

Tiveram início nesta segunda-feira (27) mais duas importantes obras de pavimentação e drenagem de águas fluviais na cidade. A primeira é na Rua Dario Bocchino (antiga Rua 8), no Jardim Novo Horizonte, ao custo de R$ 13,4 milhões, e a outra é a ligação viária da Av. Samuel Martins e da Estrada Velha de São Paulo (também conhecida como Rodovia Presidente Tancredo Neves) com a Av. Catorze de Dezembro. Esta última terá investimento de R$ 7,3 milhões e ambas as melhorias serão financiadas pelo programa “Avança Jundiaí”.