DIG esclarece caso do homem queimado

Os policiais da Delegacia de Investigações Gerais (DIG) de Jundiaí esclareceram um caso de homem queimado encontrado como desconhecido no dia 19 de janeiro deste ano no Jardim Copacabana, em Jundiaí. A vítima era um morador da Vila Maringá, que foi morto por um amigo após discussão e em seguida um casal ajudou a transportar o corpo até o mato na avenida Antônio Barcheta, ateando fogo.

A equipe de policiais chefiados pela delegada Camila Pina começou a desvendar o caso após uma parente do morto reconhecer o corpo no Instituto Médico Legal (IML) por meio do crucifixo no pescoço. Em diligências na casa onde a vítima morava confirmaram que se tratava de Edvaldo Ricardo dos Santos e que moradores do bairro discutiram com ele, por motivos fúteis.

O delegado Seccional de Jundiaí, Luiz Carlos Branco Júnior, pediu aos investigadores empenho para esclarecer o caso.

Após um trabalho que envolveu os policiais Eduardo, Ricardo, Adilson, Gigio, Vanessa e Mário, coordenados pelo encarregado Márcio, um morador acabou confessando a briga e que matou a vítima com pauladas e facadas. Depois pediu ajuda a um casal para fazer o transporte do corpo, jogando em um matagal e ateando fogo.

A delegada Camila pediu a prisão dos envolvidos no homicídio. O caso será encaminhado pelo Fórum para o Tribunal do Júri, com julgamento da população se os presos devem ser condenados.

Edvaldo, morto por vizinhos na Vila Maringá, em Jundiaí