ANAC investiga contaminação em gasolina de aviação

Por Fabiana Holtz e Matheus Piovesana

A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) informou nesta segunda-feira que desde o recebimento das primeiras denúncias sobre combustível de aviação adulterado iniciou imediatamente um grupo de trabalho para acompanhamento da possível contaminação da gasolina de aviação (AVGAS). A agência reguladora afirma ter recebido 67 relatos de operadores que identificaram danos em aeronaves.

Segundo a Anac, a Agência Nacional de Petróleo (ANP) e o Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa), da Aeronáutica, foram informados sobre a situação.

A agência afirma que cerca de 12 mil aviões de pequeno porte no País são abastecidas com o AVGAS. Aeronaves maiores, que operam rotas comerciais regulares de passageiros, não utilizam o combustível, de acordo com a agência.

Adicionalmente, a Anac aguarda os resultados da investigação da ANP sobre os problemas nos lotes do combustível, e afirma que após a avaliação, poderá recorrer a novas medidas “cautelares e emergenciais”. No momento, o órgão regulador recomenda que operadores aeroportuários entrem em contato com fornecedores de gasolina de aviação para identificar se o lote do combustível que possuem é o mesmo em que o problema foi detectado.

Ainda de acordo com a Anac, se os operadores detectarem indícios de corrosão ou ressecamento de componentes, a orientação é para que informem a Agência, descartem o combustível e considerem “interromper imediatamente” a operação da aeronave.

A hipótese de que o lote de combustível em situação irregular tenha provocado danos a aeronaves foi o motivo para que a Petrobras interrompesse a comercialização.

 

Anúncios