Helô precisa de ajuda contra a Síndrome de West

Uma família da Vila Progresso, em Jundiaí, vem fazendo de tudo o que é possível para o tratamento da pequena Heloisa Siqueira Fernandes, de 1 aninho, que sofre de Síndrome de West. Ela está na fila de espera da Associação dos Pais e Amigos dos Excepcionais (APAE), mas devido à pandemia do Coronavírus ela ainda não conseguiu ser selecionada e a corrida é contra o tempo, já que existe um retardamento na sua formação, como se tivesse quatro meses.

A mãe, Gabriela Siqueira, teve de deixar o emprego para cuidar da filha. Ela mantém em seu perfil no Facebook um “diário” de tudo o que é feito e o que precisa ser realizado, para ajudar a “guerreira Helô”.

Gabriela conta que levou a filha para alguns tratamentos que a ajudaram contra as crises.

“E agora, é hora de correr atrás do prejuízo! A síndrome de west causou um grande atraso no seu desenvolvimento psicomotor e no cognitivo também. Hoje, a Helô tem 1 aninho, e é como se tivesse 4 meses. Ela ainda não sustenta o tronco, sendo assim, não senta, não engatinha e não consegue nem ao menos segurar um objeto sozinha por alguns minutos! Precisamos da sua ajuda para que ela possa iniciar o tratamento com terapeutas o quanto antes, já que ela está no pico do desenvolvimento.

Devido a pandemia, a espera pelo SUS será ainda maior do que o normal, há pouco tempo fizemos um convênio para a Helô, já que ela terá que ser acompanhada por alguns anos bem de pertinho, mas existe a carência, e mesmo depois que termina, preciso entrar com uma liminar para que cubram a quantidade de terapias necessária”.

Para enfrentar essa fase, Gabriela criou uma Vakinha em nome da Helô. As doações para o período de tratamento de cinco meses podem ser feitas por meio do link a seguir:

https://www.vakinha.com.br/vaquinha/ajudando-a-helo

“Nós como pais estamos dispostos a fazer o melhor pra ela, e vamos cuidar e fazer tudo com muito amor e paciência, como já estamos fazendo, mas o nosso maior sonho é ver a Heloísa 100% curada”, disse.