Primeiro lote de vacina para Jundiaí será de 4,7 mil

De acordo com informações passadas pela Secretaria de Estado da Saúde (SES), Jundiaí receberá, nesta primeira entrega de vacinas CoronaVac, 4,7 mil doses, a ser entregues nos próximos dias. O quantitativo será distribuído entre os hospitais e serviços de Saúde que atuam na linha de frente do atendimento à pandemia da COVD-19.

“Imediatamente após a chegada das doses, iniciaremos a imunização. Jundiaí está pronta. No entanto, para que o reflexo seja sentido na queda no número de casos novos, é necessário que tenhamos escala para a vacinação, priorizando os mais vulneráveis e aqueles que estão na linha de frente do enfrentamento”, detalha o prefeito Luiz Fernando Machado.

De acordo com o gestor da Unidade de Gestão de Promoção da Saúde (UGPS), Tiago Texera, a imunização dos profissionais da Saúde será feita nos locais de trabalho. “Os profissionais que trabalham nos hospitais em alas Covid-19 e no atendimento direto aos pacientes acometidos pela COVID-19 serão os primeiros a receber a dose, juntamente com os que atendem nos Prontos Atendimentos (PAs) Exclusivos COVID-19 e Unidades Sentinelas. Na sequência serão os demais”, comenta o gestor, que lembra da imunização dos idosos em instituição de longa permanência (ILPIs), que serão vacinados no local de residência.

Vacinas serão recebidas em Centros de Distribuição para a disponibilização aos serviços de Saúde

Com a chegada das 4,7 mil doses, a distribuição atende a cerca de um terço do total de profissionais da Saúde, que serão distribuídas nos hospitais públicos e particulares, Prontos Atendimentos (PAs), UPA, Unidades Sentinelas e Unidades Básicas de Saúde (UBS) que realizam teste RT-PCR com critérios de distribuição equânime pela quantidade de profissionais de cada equipamento e de quantidade de profissionais que atuam na área COVID-19 . O quantitativo necessário para atender a este público com a primeira dose seria de 15 mil vacinas.

No total, Jundiaí aguarda perto de 80 mil doses para suprir a imunização nesta primeira etapa, que contempla também idosos acima de 60 anos, escalonados a partir de fevereiro ou conforme a chegada das vacinas.