Variante de Manaus do Coronavírus predomina na cidade de São Paulo

A análise das amostras rastreadas no município de São Paulo mostra que a variante P1 (Manaus) do novo Coronavírus corresponde a mais de 90% do total verificado entre os meses de abril (já era de 70%) e maio. Nessas análises, não há registro de circulação da variante B.1.617 (indiana). 

O anúncio foi feito pelo prefeito, Ricardo Nunes, e pelo secretário Edson Aparecido, nesta segunda-feira (14), na barreira sanitária instalada no terminal Tietê, pela Vigilância em Saúde da capital. 

Desde o mês passado, a Prefeitura de São Paulo, por meio da Secretaria Municipal da Saúde (SMS), intensificou as ações de prevenção da Sars-Cov-2 no município, com atenção especial ao controle de entrada das novas variantes na cidade. 

Foram feitas ações em rodoviárias, com atenção especial para os ônibus vindos do Maranhão, Campos de Goytacazes, Juiz de Fora e Apucarana, até o dia 11 de junho.

Desde o início das ações, 797 ônibus foram abordados, com triagem, isolamento e monitoramento, além de ações educativas de prevenção. Em parceria com a Anvisa, também foram feitas ações no aeroporto de Congonhas (315 voos abordados). 

Nos pedágios das rodovias, é feita a distribuição de cartilha com informações sobre sintomas e formas de prevenção e contenção da doença. Informações divulgadas em painéis eletrônicos nas rodovias de acesso ao município também fazem parte da campanha.

No total, 65 sintomáticos foram detectados e encaminhados para a realização de exames. Após a triagem, avaliação e testagem, amostra é encaminhada para sequenciamento genético, com aconselhamento de isolamento de 10 dias, a partir do início dos sintomas.

Até o dia 6 de junho, foram realizados 3.196.828 testes na rede municipal de Saúde do município. Foram 2.346.658 testes RT-PCR, 500 mil testes rápidos e 350.170 exames sorológicos. No total, 1.910.473 pessoas passaram por monitoramento e 238.663 seguem monitoradas.

Há também 16.764 monitorados após alta de internação por Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) na rede de especialidades.

O prefeito Ricardo Nunes agradeceu a equipe de Saúde pelas ações de enfrentamento à pandemia na Capital. “Continuamos no processo da barreira sanitária. Inclusive, foi o município que sugeriu a barreira ao ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, por meio do secretário da Saúde, Edson Aparecido. Foi aceito e seguimos firmes nas ações. Acreditamos neste processo”, disse Nunes. 

O prefeito ainda reforçou que até o momento mais de 85 mil pessoas foram abordadas nos terminais de ônibus, no aeroporto de Congonhas e nos terminais de cargas. 

O secretário municipal de Saúde, Edson Aparecido, lembrou que há mais de 30 dias, todas as segundas-feiras, são enviadas cerca de 250 amostras de testes de Covid-19, com resultado positivo para fazer o sequenciamento genético aos institutos Adolfo Lutz, o Instituto de Medicina Tropical de São Paulo, da USP, e Butantan. 

“Na ultima semana conclui-se o estudo de todos esses testes enviados a esses institutos e nós não temos nesse momento a circulação da variante indiana na cidade de São Paulo”, afirmou o secretário.

O secretário ainda incentivou a necessidade de manter todos os cuidados sanitários para evitar a disseminação da doença na cidade de São Paulo.

Terminal Rodoviário do Tietê

Desde o dia 25 de maio até este domingo (13), no Terminal Rodoviário do Tietê, 147 ônibus foram abordados e 4.089 passageiros foram avaliados, com 18 sintomáticos respiratórios identificados pela equipe. Destes, oito realizaram exame RT-PCR e três pessoas, não residentes em São Paulo, apresentaram resultado positivo até o momento. Nenhum para a cepa indiana. Os três estão em acompanhamento pelo e-SUS.

Com informações da Prefeitura de São Paulo.

%d blogueiros gostam disto: