JUNDIAÍ

Jundiaienses pedem mais espaço para as bikes na cidade

A Prefeitura de Jundiaí, por meio da Unidade de Gestão de Mobilidade e Transporte (UGMT), realizou na manhã desta quarta-feira (28) a segunda audiência pública do Plano de Mobilidade Urbana. Foram apresentadas diferentes propostas para melhorar a mobilidade na cidade, como investimentos para a abertura de mais ciclovias, melhora no transporte público e na caminhabilidade.

A audiência foi coordenada pelo gestor de Mobilidade e Transporte, Aloysio Queiroz, com transmissão ao vivo pelas redes sociais da Prefeitura, da TVTEC e pelo canal 24 da NET. A população pôde tirar dúvidas em tempo real. “Com um Plano de Mobilidade Urbana, estamos olhando para o futuro, planejando a Jundiaí que queremos hoje e em 2030”, avalia Aloysio. “Esse diagnóstico do Plano de Mobilidade é muito importante para definirmos as prioridades dos próximos anos. As propostas aqui apresentadas indicam esses caminhos.”

 

Tela da live da audiência, com Aloysio Queiroz
Aloysio abordou a importância da construção do plano para pensar a mobilidade urbana em Jundiaí, agora e no futuro

Para a realização do diagnóstico que vai nortear a confecção do Plano de Mobilidade Urbana e o levantamento de propostas, a Prefeitura de Jundiaí contratou a empresa Logit. Ao todo, foram incluídos 37 projetos para essa fase de apresentação das propostas, avaliados e agrupados, gerando 18 cenários a partir da proximidade dos mesmos. A apresentação foi dividida entre os tópicos “Mobilidade Ativa” e “Modo Motorizado” e contou com explicações de técnicos da empresa.

Arlindo Fernandes, consultor do projeto do Plano de Mobilidade, apresentou propostas para novas ciclovias, com um aumento gradual e integração de uma rede ao longo dos anos. Ele lembrou que Jundiaí possui atualmente nove quilômetros de ciclovia e propõe mais 167 quilômetros a partir de projetos em elaboração e idealizados, além da sugestão de mais dez quilômetros futuros.

No que diz respeito à caminhabilidade, foram apontadas propostas para melhorar a fluidez na região central e requalificação de espaços públicos levando em conta vias com grande passagem de veículos, pontos de ônibus e melhoria das calçadas.

No tópico “Modo Motorizado”, foram expostas as propostas de investimento em infraestrutura e a criação de novos eixos de circulação no transporte público, o que poderá gerar menor tempo do usuário em seu deslocamento, com cálculo de horas economizadas.

A audiência pública contou com a participação do gestor de Governo e Finanças de Jundiaí, José Antonio Parimoschi, e do gestor de Planejamento e Meio Ambiente, Sinésio Scarabello Filho, além de diretores da UGMT. “A audiência é uma ferramenta muito importante para a participação das pessoas e trouxe contribuições relevantes”, observa Parimoschi. “Não podemos perder de vista que estamos em uma cidade com 365 anos e que toda mudança precisa ser feita com muito planejamento, olhando para o que se deseja no futuro. A mobilidade urbana é um dos principais gargalos do mundo desenvolvido, não apenas nas cidades brasileiras. Por isso é necessário alinhar as propostas do Plano de Mobilidade ao PPA (planejamento plurianual), que estamos preparando para o período 2022-2025.”

Durante a audiência pública, webespectadores tiraram dúvidas sobre questões variadas, como investimentos em ônibus elétricos (previstos para serem incluídos na nova concessão do transporte público), segurança para ciclistas e pedestres e a construção de um novo terminal de ônibus no Vetor Oeste.