Oncologia do São Vicente supera índices do Ministério da Saúde

O Hospital São Vicente é uma das 82 instituições que integram a Unidade do Estado de São Paulo de Assistência de Alta Complexidade em Oncologia (UNACON), cujos parâmetros previstos na habilitação para atendimento SUS devem ser 100% superados até dezembro. “A habilitação para tratamento clínico aos pacientes oncológicos, incluindo quimioterapia e radioterapia, é de 48.300 procedimentos anuais. O São Vicente deve chegar ao final de 2019 a 77.546 procedimentos, índice 161% do que é preconizado”, explica o superintendente do São Vicente, Matheus Gomes.

Outro ponto a ser destacado é o índice de consultas especializadas em oncologia que o HSV realiza. “O estipulado pela UNACON são 500 atendimentos anuais e nós vamos fechar com 2.564, conforme nossas projeções, o que significa um desempenho 513% acima do indicado”, afirma o superintendente.

O oncologista e diretor técnico do Hospital, Izandro Regis de Brito, acrescenta que os números de cirurgias também caminham para a superação. “No início de 2017 realizávamos 40 cirurgias oncológicas ao mês. Hoje realizamos 56, o que representa um aumento da ordem de 39%”, demonstra o especialista. É válido ressaltar que hoje não há fila de espera para a realização de cirurgias oncológicas.

Para obter desempenho superior ao estipulado pelo Ministério da Saúde, o São Vicente investe em várias frentes. “Implantamos o Ambulatório de Triagem Oncológica, ampliamos o horário de atendimento da radioterapia no ano de 2018 e, em maio deste ano, inauguramos as novas instalações da quimioterapia. Um espaço 50% maior, climatizado e confortável, próximo de nossa recepção central o que garante o menor risco de infecção hospitalar a estas pessoas. O bem-estar dos pacientes é essencial para os resultados em sua recuperação. Além disso, só neste setor, tivemos aumento de 39% no número de atendimentos em comparação ao início de nossa gestão. Eram 355 pacientes mensais e hoje são 493 pacientes. Sendo que nos meses de julho, agosto e setembro deste ano, os índices chegaram a 503, 520 e 534 respectivamente”, elenca o superintendente.

A quimioterapia e a radioterapia funcionam em locais independentes, o que contribui para que os pacientes se sintam mais confortáveis, uma vez que estão em fases diferentes do tratamento. “Atualmente a radioterapia atende cerca de 90 pacientes por dia, ampliamos nossa operação em duas horas no ano passado e no começo deste mês aumentamos mais duas horas, passando a realizar o procedimento das 5h à meia-noite”, explica o físico médico Flávio Vermiglio.

O tempo preconizado pelo Ministério da Saúde (MS) de 60 dias entre diagnóstico e tratamento já é atendido pelo serviço. A ampliação do horário pelo São Vicente tem o objetivo de melhorar e reduzir ao máximo este período. “A expectativa é de que até o primeiro trimestre do próximo ano seja possível ter uma redução substancial no tempo de espera, permitindo que o tratamento comece com maior agilidade após o diagnóstico e indicação do tratamento”, afirma o físico.

Além da eficiência da equipe, planejamento e bom uso dos recursos do hospital fazem parte do atendimento. “É preciso contar com pessoas engajadas e apaixonadas pelo trabalho diário num ambiente hospitalar. Existem mais de 100 tipos diferentes de câncer, com inúmeros tratamentos e cada organismo responde de forma particular, por isso, cada paciente deve ser tratado de forma ímpar”, destaca Dr. Izandro.

 

Triagem

Em 2018 o HSV implantou o Ambulatório de Triagem Oncológica, no qual a documentação necessária é checada, o paciente é avaliado antes do início do tratamento e direcionado para o local correto dos procedimentos. “Tal medida otimizou o tempo e recursos para o diagnóstico e tratamento do câncer, tornando Jundiaí uma referência oncológica de excelência, frente aos usuários do SUS no Brasil”, afirma o médico oncologista.

De acordo com o gestor da Unidade de Gestão de Promoção da Saúde Tiago Texera, o HSV é um equipamento de destaque na rede pública estadual. “O Hospital São Vicente tem 95% de resolutividade em seus atendimentos, um índice que o coloca em posição diferenciada dos demais serviços públicos. O atendimento oncológico, que é referência para toda a região de Saúde do entorno, é de excelência, compondo o quadro do equipamento estruturante”, analisa.